Análise TeK: Como aliar a realidade virtual a um smartphone de topo

A resposta ao título desta análise é simples e resume o que este Alcatel IDOL 4S faz de diferente quando comparado com os muitos outros smartphones flagship à venda de momento hoje em dia: inclui no pack uns óculos de realidade virtual, que servem também de caixa de transporte para o equipamento.

tek alcatel idol 4s 1

E, como não é normal encontrarmos uma oferta deste género todos os dias, é precisamente por aqui que começamos a nossa apreciação do IDOL 4S, depois de há algumas semanas termos marcado presença na apresentação oficial do smartphone (e também do seu “irmão” IDOL 4), evento em que tivemos desde logo a oportunidade de experimentar a realidade virtual da Alcatel durantes uns minutos.

De facto, e tendo em conta que este o headset de realidade virtual estão incluídos nos 449,99 euros que são pedidos para levar para casa este smartphone (preço livre de operador), podemos dizer que a experiência é satisfatória.

Estão instalados de raiz no IDOL 4S conteúdos de realidade virtual, nomeadamente vídeos, a acrescentar à vasta oferta de material do género que já existe na internet. O YouTube, por exemplo, é uma excelente fonte de vídeos 360º hoje em dia, tal como o que não falta na loja Google Play são apps que permitem explorar conteúdos do género.

De qualquer forma, a interface que os óculos de realidade virtual fornecidos integra simplifica a navegação entre conteúdos e menus, ao mesmo tempo que está aqui presente uma espécie de loja preparada pela Alcatel e que atalham para os conteúdos de realidade virtual compatíveis com este set.

Instalados de origem no IDOL 4S estão alguns jogos e vídeos, sendo que um dos mais divertidos é Lamper VR, um título que coloca pirilampos como protagonistas da ação. Em termos de desempenho, o elevado nível de hardware dentro do 4S (já falaremos deste aspeto mais à frente) afeta bastante a experiência de realidade virtual, e pela positiva.

Os conteúdos são reproduzidos e mostrados de forma bastante fluida, com o smartphone a estar encaixada a uma distância relativamente “segura” dos olhos, o que é bom, tendo em conta que não é possível ajustar a distância focal e “visual” do sistema, algo que os Samsung VR, por exemplo, permitem fazer. 

Por outro lado, os botões de controlo estão bem posicionados e são simples de usar, diminuindo a habitual dificuldade em navegar nos menus e selecionar o que desejamos, efetivamente. A dimensão e peso do headset acabam por mostrar-se adequados, mas aconselhamos que ajuste de forma precisa as correias de fixação na cabeça, caso contrário o conforto será consideravelmente reduzido durante a utilização.  

No fundo, este sistema VR está razoavelmente construído, bem isolado face à luz exterior as esponjas são agradáveis de sentir no rosto e o desempenho ababa por ser bom, principalmente para quem está a entrar agora no mundo da realidade virtual.

O som está em excelente nível, é pena somente que o smartphone aqueça demasiado e que rapidamente haja lugar a uma ligeira indisposição quando a jogar nestes ambientes, pelo menos no nosso caso. Dado preço do bundle, este kit de realidade virtual é oferecido, praticamente.

Desempenho acima da média?

O sobreaquecimento de que falamos acima afeta o IDOL 4S mesmo fora das “lides” da realidade virtual e quando “apertamos” com o processador a jogar, acima de tudo. Pode chegar a ser incomodativo, na verdade, e motivar paragens no uso do smartphone.

Este é um ligeiro senão numa performance praticamente irrepreensivel e que é capaz de deixar para trás outros concorrentes mais caros e situados no topo da gama de algumas marcas. Na app de testes AnTuTU reparámos que o IDOL 4S supera os 76 mil pontos, o que é bastante bom.

E os componentes responsáveis pelo bom desempenho a todos os vídeos, especialmente vídeos e multimédia online, são o processador Qualcomm Snapdragon 652 quad-core a 1,8 GHz, os 3 GB de memória RAM e a GPU Adreno 510.

A memória interna é de 32 GB de memória interna, o que está em linha com o segmento em que se insere o 4S, sendo possível de expandir esta marca através de cartões microSD de até 128 GB. Mais do que suficiente para o seu dia a dia fotográfico e de vídeos. No capítulo do som, a performance é muito boa, já que dois altifalantes colocados no topo do terminal garantem sonoridades estéreo de 3,6 w.

Fotos em bom plano

Por falar nisso, os resultados de vídeo e fotografia obtidos com a câmara traseira de 16 ML deste IDOL 4S é um dos pontos que mais nos agrada no smartphone. A abertura fixa é de F/2.0 e o flash LED está presente, tal como acontece na câmara frontal de 8 MP, “rainha” das selfies mesmo em pouca luz.

A gravação de vídeo é possível em resoluções máximas de 2.160p a 30 fds e as fotografias mostram detalhe e qualidade em patamares elevados, principalmente se feitas em espaços exteriores ou com luz farta. Cores bem reproduzidas, contraste equilibrado e ruído praticamente inexistente. Em situações com pouca luminosidade, não há milagres, contudo: já sabe que surgirá um pouco mais de grão, como acaba por ser habitual em equipamento do género.

Por outro lado, os modos fotográficos presentes são muito interessantes, com especial destaque para a opção de captação de panorâmicas e para a modalidade Fyuse, uma espécie de modo HDR que combina várias imagens para dar origem a um GIF animado. A opção Slow-Mo permite registar vídeos em câmara lenta e também é interessante.

Os outros dois são o automático, normalíssimo, e o manual, mais atrativo para quem percebe um pouco mais de fotografia. Os resultados são bons a todos os níveis, como podemos ver pelas imagens abaixo.

Ainda não falámos, no entanto, de um ponto muito bem conseguido no IDOL 4S: o design. Elegante, leve, bem construído, com vidro espelhado na traseira e uma estrutura metálica que lhe confere um toque de robustez que salta à vista. É assim que se pode caracterizar rapidamente o smartphone, que transmite uma sensação fantástica ao toque e ao manuseamento normal em qualquer situação.

Estamos a falar de dimensões de 153,9 x 75,4 x 7 mm, o que mostra que o IDOL 4S é bastante fino, pesando 149 gramas. Este é quase um phablet pelo tamanho que tem, por assim dizer, mas o feeling é muito bom e o manuseamento dá-se como se fosse um smartphone mais pequeno, no fundo.

À esquerda do corpo, nas arestas elegantes e arredondadas, está apenas o botão para ligar e desligar; à direita aparece os comandos de volume e a Boom Key de que falamos mais à frente com algum destaque.

A lente da câmara está ligeiramente saída face ao corpo do smartphone, o que pode não ser bom. Contudo, na parte da frente do IDOL 4S não existem comandos físicos, nem tão pouco um botão Home. É tudo ecrã, por assim, dizer, talvez até num rácio de perto de 80% da superfície frontal.

O ecrã de 5,5 polegadas, sendo assim, é outros dos pontos mais “em forma” do equipamento. Ficámos realmente impressionados pelo modo como são reproduzidos vídeos e jogos e pelo detalhe apresentado. O painel tátil AMOLED tem a boa relação de 1.440 x 2.560 píxeis, com densidade de 534 ppp, o que é excelente. Contraste apurado, cores fiéis à realidade, resistência a riscos e choques, com capacidade perfeita para ajustar-se à luz ambiente e a reduzir reflexos.       

Boom Key para todos!

Este é o grande atrativo do IDOL 4S quando procuramos algo que o distinga da concorrência. A Boom Key é um botão físico na lateral direita do terminal que desencadeia determinada ação em função da secção ou funcionalidade que estiver ativa no momento no uso do smartphone.

Passamos a explicar com exemplos e apresentando as diversas facetas da funcionalidade. Com o Boom my camera, pode fazer fotos instantaneamente e mesmo que o terminal esteja bloqueado, sendo que pode captar fotos em sequência caso mantenha a tecla pressionada com o IDOL 4S na horizontal.

Até aqui, nada de mais… Mas o pressionar do botão quando a ver fotos ativa o Boom my gallery (que coloca em andamento um slideshow com animações). Já o Boom my videos acrescenta efeitos aos vídeos; e o Boom my music melhora substancialmente os tons mais graves da performance sonora do smartphone. Ainda há mais funcionalidades que pode configurar para esta Boom Key, mas estas foram as que mais nos saltaram à vista. Uma ideia diferente do habitual, mas que pode rapidamente cair no esquecimento, eventualmente.

A trabalhar o dia todo…

Quanto à autonomia, não há muito a dizer, até porque o IDOL 4S não surpreende – está na linha do normal num equipamento do segmento e com uma bateria de 3.000 mAh. Dura apenas um dia completo com um uso intensivo com jogos e multimédia; reduzindo a “carga” para uma utilização banal, a autonomia chega aos dois dias sem problemas.

Mas há mais a dizer sobre o IDOL 4S, como complemento: o sistema operativo é o 6.0 Marshmallow (muito pouco alterado pela interface da Alcatel), estão presentes as ligações Wi-fi, Bluetooth, NFC, bem como elementos como acelerómetro, giroscópio e bússola, normalmente.   

Sente-se a falta apenas um sensor de impressões digitais, algo que já encontramos até em terminais mais acessíveis como o Wiko Ufeel, por exemplo, que analisámos recentemente. O IDOL 4S é dual-SIM, também.  

Um "companheiro" à altura

Pelo meio dos dias em que convivemos com o IDOL 4S foi-nos possível ainda experimentar o GO Watch, um smartwatch que a Alcatel apresentou pela primeira vez na IFA de 2015 e que já é possível encontrar à venda em Portugal com preços a rondar os 110 euros.

O equipamento destina-se claramente aos amantes dos desportos ao ar livre, quer pelo design descontraído (em branco, no nosso caso), quer pela várias funcionalidades incluídas. Entre elas estão um funcional sensor de frequência cardíaca integrado (que dispensa o uso de banda de peito) e uma secção da UI bastante adequada a quem pratica desporto diariamente.

À parte do carácter desportivo do GO Watch, podemos contar com um ecrã tátil de 1,22 polegadas (240 x 240 píxeis) que funciona muito bem e um sistema de seleção de opções muito eficaz. A sincronização via Bluetooth 4.0 com qualquer equipamento móvel é perfeito, bem como o suporte Wi-Fi, ambas formas sólidas de emparelhar o relógio com o IDOL 4S. Após terminado este processo, já sabe que o smartwatch irá notificá-lo de tudo o que se passa no seu smartphone, entre redes sociais, e-mail, mensagens, chamadas, etc. Só não pode efetuar conversações, efetivamente.

Apesar de demasiado grande, mesmo para quem pratica desporto e gosta do género, o GO Watch é à prova de choques, pode ir à água tranquilamente até uma profundidade de 1,5 metros e não há poeiras que o incomodem. A autonomia, contudo, é um aspeto que a Alcatel deve melhorar em modelos futuros, pois a bateria de 225 mAh não dá grandes garantias... Ainda assim, é um smartwatch com personalidade desportiva de que gostamos bastante.

Opção a ter em conta...

Em suma, temos de admitir que este IDOL 4S da Alcatel é um smartphone que se apresenta num excelente patamar e a "morder os calcanhares" a qualquer topo de gama, de qualquer marca.

Ainda para mais, o preço não chega aos 500 euros e ainda está incluído um "pormenor" que faz todo o sentido – numa altura em que a realidade aumentada e conteúdos do género estão na moda, encontra aqui uns óculos do género e vários conteúdos pré-instalados. O desempenho é bom, tendo em conta o bundle e o preço.

Tirando isso, o IDOL 4S surpreende pelo design e construção, está bem "recheado" no que diz respeito ao componentes e traz um ou outro ponto que faz a diferença, como é o caso da Boom Key e de tudo o que pode fazer com ela num ambiente mais descontraído do dia a dia. Uma opção a ter em conta, sem dúvida, na hora de renovar o seu smartphone.

Nokia 3310

O Nokia 3310 recupera a nostalgia de uma das primeiras gerações de telemóveis. Está disposto/a a comprar um?

Mais informação

  • Sim e vou abandonar o meu smartphone

    19%

  • Sim, mas só para jogar Snake

    10%

  • Vou oferecer a alguém

    10%

  • Não, é só um "dumbphone"

    59%