Primeiras impressões: Módulo a módulo se faz o (provável) sucesso do LG G5

A LG conseguiu adiantar-se à Google, e ao projecto ARA, e anunciar um smartphone modular que parece juntar o melhor dos dois mundos. O TeK já experimentou e comprova a funcionalidade, mas há problemas a ultrapassar.

LG G5

O conceito de se poder “montar” um smartphone à medida das necessidades e interesses de cada um não é novo, e teve no projeto ARA da Google uma materialização que captou a atenção dos utilizadores, mas que ainda não chegou a ver a luz do dia. Mas a LG conseguiu implementar a ideia, e mostrou-a em Barcelona, o que lhe valeu alguns dos principais prémios da feira, embora ainda com poucas opções disponíveis, o que pode comprometer o sucesso do LG G5 nas lojas se os consumidores não compreenderem a utilidade.

É verdade que algumas das ideias mais inovadoras do mercado de smartphones nos últimos anos saíram dos laboratórios da LG, desde o ecrã curvo à mudança dos botões principais para a traseira do ecrã, e o LG G5 segue na mesma pista para ganhar espaço num mercado onde o espaço de diferenciação é cada vez menor, o que obriga a evoluções cada vez menos revolucionárias.

À primeira vista nada muda no equipamento, que é construído com um corpo em metal e com um design que indica continuidade. Só que o segredo da modularidade está escondido na base, onde os engenheiros da LG colocaram uma engenhosa forma de desencaixe que permite acrescentar módulos adicionais. 


A bateria é um deles e será bem-vinda para quem quer mais capacidade de “vida” no seu smartphone, usando uma bateria extra ou de maior capacidade. Mas há um outro módulo dedicado à fotografia, que acrescenta um extra simpático, botões dedicados à captura da imagem e também ao controle do zoom da fotografia.

Também a música não foi esquecida, com um módulo de reprodução de som em 32 bits que tem também uma entrada de headphones para que possa usufruir da experiência de maior qualidade.

À partida o modelo de encaixe/desencaixe gera algumas dúvidas: será tão fácil como parece? E em termos de durabilidade? O TeK experimentou em Barcelona e comprova que é fácil de proceder à colocação e remoção dos vários módulos, que aqui se vê apenas com a bateria extra e o módulo de som. Mas quanto à durabilidade do modelo de encaixe só o tempo o dirá, até porque não vimos nenhum teste semelhante ao que uma marca de móveis tem em exposição para abertura e fecho de gavetas.


Estes novos módulos têm contributos de peso, com a parceria da B&O Play para o módulo de som LG Hi-Fi Plus, enquanto o módulo da câmara, o CAM Plus transforma o LG quase numa câmara reflex, juntando as funções de obturador, gravação, zoom e um ecrã LED. Traz ainda uma capacidade extra da bateria de 1.200 mAh para permitir tempos de disparo mais longos.

Para além do conceito modular

É natural que a atenção mediática esteja centrada no conceito modular, mas o novo LG G5 não se limita a essa ideia. É também uma evolução em relação ao G4 a vários níveis, e este já era um dos melhores smartphones do mercado.

Com um ecrã de 5,3 polegadas com uma resolução de 2.560x1.440 pixeis, a qualidade da imagem não pode ser posta em causa, mas o processador Snapdragon 820 e a memória RAM de 4 GB fazem o resto para assegurar a fluidez na navegação e execução das aplicações mais exigentes. Uma curvatura ligeira faz o casamento perfeito entre o ecrã e a estrutura em alumínio, elegante e confortável ao toque.

Conte ainda com o sensor de impressão digital na traseira, mantendo a tradição da LG, apesar do abandono das teclas de power e de gestão de som nesta zona do equipamento.

A LG adicionou ainda funcionalidades em áreas críticas, como a câmara fotográfica e a poupança de bateria, através de um sistema de ecrã always on que a Samsung também introduziu nos novos Galaxy s7 e s7 edge e que permite reduzir o número de vezes que os utilizadores “acordam” o smartphone, poupando energia. Desta forma são apresentadas informações relacionadas com a hora e as notificações recebidas, que consomem apenas 0,8% da bateria por hora.

Do lado da fotografia há duas câmaras: uma com um sensor de 16 megapixels, mas desta vez acompanhado de um outro com 8 megapixels, mesmo ao lado, o que permite alargar o ângulo de captura de imagem para 135 graus, ficando além do ângulo de visão humano. Há ainda ferramentas que podem ser relevantes para quem quer manipular imagens, como o pop-out picture para criar efeitos molduras, e o film effect com emuladores variados. E as selfies não foram naturalmente esquecidas com o Auto Shot, que melhora a identificação do rosto para captar a fotografia.

Falta ainda fazer uma experiência mais aprofundada do equipamento, o que deverá acontecer numa data mais próxima do lançamento no mercado português, que está previsto para final de Março, como adiantou ao TeK Marco Maltez, gestor de produto da LG Portugal, que tem expectativas elevadas para a recetividade do mercado nacional ao novo equipamento.

Para já não há preço definido, mas os rumores apontam para um valor que deve ficar acima dos 600 euros.

Próxima página: Os “amigos” certos para o smartphone

Os “amigos” certos para o smartphone
As novidades da LG em Barcelona não se limitaram ao LG G5 e a marca mostrou vários “amigos”, ou Friends, que funcionam em conjunto com o smartphone e que trazem funcionalidades adicionais, na captura de vídeo de 360º, ou na reprodução de imagens em realidade virtual com os novos óculos LG 360 VR que o TeK experimentou no MWC mas que não entusiasmaram.

A família de gadgets conta também com um robot esférico com funcionalidades de vigilância e até animação dos animais domésticos. O Rolling Bot foi um dos equipamentos que gerou mais interesse lembrando o BB-8 que foi popularizado no mais recente filme de Star Wars, mas consegue fazer transmissão de vídeo em direto para o smartphone.

Uma nota ainda para a câmara LG 360 Cam que pode ajudar a democratizar os conteúdos imersivos. Pequena e fácil de usar, tem dois sensores de 13 megapíxeis que abrangem uma área de captura de vídeo com cerca de 200 graus e que depois são “colados” para se obter as imagens em 360º.

O dispositivo tem um armazenamento de 4GB mas a capacidade pode ser adicionada com o recurso a cartões microSD. Para o som há três microfones integrados.

Fátima Caçador

Nokia 3310

O Nokia 3310 recupera a nostalgia de uma das primeiras gerações de telemóveis. Está disposto/a a comprar um?

Mais informação

  • Sim e vou abandonar o meu smartphone

    19%

  • Sim, mas só para jogar Snake

    10%

  • Vou oferecer a alguém

    10%

  • Não, é só um "dumbphone"

    59%