Apesar de serem vários os tablets com ecrã de 8 polegadas à venda de momento, é um facto que existem alguns modelos que servem de referência no mercado, nem que seja pelo impacto que vão causando junto dos utilizadores. O ZenPad 8.0 Z380M, mesmo não estando dentro desse referido lote de tablets mais “emblemáticos”, por assim dizer, não se deixa ficar para trás face à concorrência.

E assim é devido a dois fatores em particular: além de ser um tablet que não causa demasiado “estrago” na carteira, custando 179,99 euros, esta sugestão da Asus apresenta um design cuidado, elegante e bem pensado do ponto de vista ergonómico. Não pretende ser mais do que é, posicionando-se bem no segmento a que se destina.

A primeira impressão após o unboxing deixa-nos desde logo surpreendidos pela positiva. Também por causa dos 350 gramas de peso e 8,5 mm de espessura, é efetivamente possível utilizar este ZenPad 8.0 apenas com uma mão. Não como se de um smartphone se tratasse, obviamente, mas de uma forma que consideramos imediata e até confortável.

Mas não fiquemos por aqui nos elogios relativos ao design, que é o ponto mais bem conseguido neste modelo – não fosse ele "dono e senhor" de um RedDot Award 2016. Pode optar pelo Z380M em preto, branco ou “metal” (acreditamos que a versão em preto que nos foi enviada para teste nem seja a mais elegante…), sendo que o tablet não envergonhará ninguém que o transporte debaixo do braço na rua. Transmite um bom feeling durante o uso e, com inspiração no mundo da moda, as finas arestas em metal estão lá apenas para “enquadrar” o ecrã de 8 polegadas, revestido a vidro Gorilla Glass 1, numa relação ecrã-corpo de 76,5%, diz a marca. Parece-nos bem.     

Contudo, e por falar no ecrã, é pena que a resolução “distribuída” pelas 8 polegadas seja apenas de 1.280x800 píxeis, quando uma relação Full HD podia ter sido muito mais bem recebida pelos amantes do multimédia. E talvez nem tão dispendiosa assim para a marca em termos de custos de produção, calculamos.

Há um claro esforço para colocar o contraste em bom plano, o que nem sempre é conseguido. Já as cores – essas sim – apresentam-se bem reproduzidas para um tablet neste intervalo de preço. Os ângulos de visão satisfazem na reprodução de vídeos na Web, a adaptação à luz ambiente é perfeita e o suporte tátil de até dez pontos em simultâneo funciona bem.

Altifalante "solitário"

Nessas mesmas experiências multimédia com base na Internet, entre vídeos no YouTube e músicas em play aleatório e constante no Spotify, o altifalante único no topo da parte frontal do Asus Z380M acusa por vezes essa “solidão” (outros modelos da marca incluem mais do que um altifalante para o efeito).

Mas, surpreendentemente, quando emparelhado com uns bons auscultadores Bluetooth ou com uma coluna assistida pela mesma tecnologia, o som obtido chega para “inundar” uma sala de dimensão média. É a prova de que as tecnologias de som DTS-HD e Asus SonicMaster estão presentes por alguma razão.

Continuando a falar do desempenho em geral do Z380M, não haverá qualquer dificuldade nas tarefas “banais” normalmente atribuídas a um tablet, das fotos vistas no Facebook e navegação na Internet até às atividades um pouco mais profissionais, sempre em movimento. No campo das ligações – Wi-Fi, Bluetooth, GPS, 4G –, missão cumprida. Por outro lado, no que toca às câmaras, os resultados dividem opiniões.

A câmara frontal de 2MP serve apenas para videochamadas, enquanto a traseira de 5MP porta-se bem se tivermos em conta o valor a desembolsar pelo Z380M, com apoio da lente f/2.0 e do foco automático. Podemos contar ainda com as diversas funcionalidades que integram a tecnologia VisualMaster da marca para dar uma “mãozinha” na qualidade final das imagens, bem como com os modos de captação HDR e Panorâmico para brincar um pouco mais. Todos os registos são guardados nos 16GB de memória interna, possível de expandir até 128GB via cartão microSD.

Se até aqui a performance deste tablet está em bom nível, quando chega a hora de “exagerar” um pouco mais na reprodução de conteúdos multimédia o caso muda ligeiramente de figura. Não podemos pedir a um modelo a este preço que meça forças com os topos de gama (nem sequer com um iPad mini 4, que custa no mesmo segmento um mínimo de 409 euros...), mas é certo que alguns jogos descarregado na Google Play podem fazer com que este Asus se mostre um pouco menos fluido. Nada que preocupe demasiado para já, mas alguns jogos produzidos de futuro podem vir a trazer dificuldades.

Android 6.0 Marshmallow

Lembramos que no interior do equipamento está um processador MediaTek MT8163 a 1,3 GHz (Quad-Core, 64-bit) e 2GB de memória RAM, (muito) bem apoiados pela mais recente versão do sistema operativo móvel Android, a 6.0 Marshmallow. Pena é que a Asus continue a colocar de raiz nos ZenPad demasiadas aplicações próprias, para tudo e mais alguma coisa, no seio da interface ZenUI que marca sempre presença nos tablets e smartphones da marca.

No capítulo da autonomia, tudo corre bem. A duração anunciada da bateria de 4.000 mAh é de oito horas, marca que comprovámos durante uma utilização normal à base de navegação Web, com todas as ligações ativas e fazendo uma ou duas videochamadas pelo meio. No entanto, ao subir o volume de som com uma coluna Bluetooth, a autonomia desce consideravelmente, como acontece com a maioria dos tablets no mercado, aliás.

Em suma…

Quem anda a "vaguear" pelas lojas da especialidade em busca de um tablet não muito dispendioso e que seja capaz de satisfazer as suas necessidades do dia a dia, entre reuniões de trabalho, internet em movimento e uma fotografia aqui ou ali, decerto encontrará nesta versão do ZenPad 8.0 uma opção a ter em conta, ainda para mais com preço abaixo dos 200 euros.

Contudo, continuamos convencidos que é a relação entre preço e “polivalência” que acaba por ser o trunfo principal neste “pequeno" tablet. Isso e o design equilibrado e até luxuoso, que dá nas vistas e possibilita a utilização do equipamento com apenas uma mão tão depressa quanto o conseguimos guardar na mochila. Ou até num bolso de casaco que seja um pouco maior.

Não estamos perante o rei dos tablets neste segmento, é certo, mas também não é a isso que se propõe a Asus com esta opção. O Z380M convence de forma geral, desde que tenhamos consciência de que um modelo que não “pesa” na carteira não será nunca capaz de ombrear com os topos de gama que se revelam grandes “máquinas” multimédia. Mantenha este Asus debaixo de olho, é o nosso conselho.