Startups vão ao Porto apresentar resultados do programa de aceleração da Carnegie Mellon Portugal

No próximo dia 6, na Universidade do Porto,quatro equipas de empreendedores portugueses vão revelar aquilo que aprenderam e o que conseguiram alcançar durante a sua participação de sete semanas no programa de aceleração da Carnegie Mellon Portugal.

tek carnegie mellon

A All in Surf, a Helppier, a Smart Insole e Tactile Wireless Evolution (TWEvo) foram as startups selecionadas para participar na terceira edição do Entrepreneurship in Residence (inRes), um programa de aceleração de negócio promovido pela Carnegie Mellon Portugal e financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

As equipas estiveram durante sete semanas em Pittsburgh, nos Estados Unidos, onde, ao abrigo do programa, puderam contactar com empresas líderes em vária áreas e puderam cimentar os seus planos de negócios.

Na próxima terça-feira, dia 6 de dezembro, no Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto, estas startups vão apresentar os resultados da sua participação no programa de aceleração da Carnegie Mellon Portugal e partilhar as lições que “levam para casa”.

Esta sessão de encerramento vai contar com a presença das equipas que foram selecionadas para as edições do inRes de 2014 (AddVolt, Displr, Followprice e Xhockware) e de 2015 (Adapttech, Playsketch, Sceelix e Scraim), bem como com Paulo Espregueira Magalhães, fundador e CEO da Tlantic, Kit Needham, do acelerador “Project Olympus”, e Reed McManigle, do Centro de Transferência de Tecnologia e Criação de Empresas.

Em jeito de antecipação, a Carnegie Mellon Portugal avança que estas quatro equipas conseguiram estabelecer contactos com centenas de potenciais clientes, aplicar melhorias aos produtos que estão a desenvolver e firmar acordos para testarem as suas soluções.

Consulte aqui a agenda do evento.

Nokia 3310

O Nokia 3310 recupera a nostalgia de uma das primeiras gerações de telemóveis. Está disposto/a a comprar um?

Mais informação

  • Sim e vou abandonar o meu smartphone

    19%

  • Sim, mas só para jogar Snake

    10%

  • Vou oferecer a alguém

    10%

  • Não, é só um "dumbphone"

    59%