Cientistas que descobriram novos planetas explicam tudo no site que revela mais detalhes

TRAPPIST-1 pode não ser o nome mais fácil de decorar, mas é provável que venhamos a ouvi-lo vezes suficientes para ganhar outra sonoridade. Os cientistas que o revelaram são os primeiros a trabalhar ativamente para isso e o destinatário é cada um de nós.

tek trappist-1 obs

Fevereiro de 2017 vai ficar para a história como o mês de mais um emocionante anúncio da NASA, sobre a possibilidade de não estarmos sozinhos no universo e, de algures, planetas idênticos à Terra proporcionarem condições de vida como as que conhecemos aqui.

O TRAPPIST-1 deu corpo ao anúncio e a muitas horas de observações e investigação. É um sistema planetário a 39 anos-luz da Terra, com sete planetas de caraterísticas idênticas às do planeta azul. Isso já se sabe, mas falta saber muito mais para verificar se as prováveis condições de vida se concretizam.

Para explicar tudo o que já fizeram, o que pretendem fazer e como fazer, a equipa de investigadores responsável pela descoberta criou um site, onde é possível ter acesso a informação de diversas fontes para ficar a conhecer tudo o que já se sabe e perceber tudo o que vai acontecer a seguir.

Há ligações para papers, vídeos, imagens e até posters e a promessas de ir atualizando o site com toda a informação disponível sobre o tema. Também é possível ter acesso a uma cronologia dos eventos que conduziram ao anúncio de fevereiro e ficar a saber o que motivou os cientistas a definirem o foco de estudo que os conduziu a esta descoberta. Este é um dos vídeos explicativos que pode encontrar no site.

Recorde ainda algumas das imagens usadas para mostrar o potencial dos novos planetas.

 

Votação TeK

Já tem uma PlayStation 4 Pro ou está à espera da Xbox Project Scorpio?

  • Já tenho a PS4 Pro mas estou curioso para conhecer a nova Xbox

    10%

  • Estou à espera da Project Scorpio para voltar a investir numa consola

    14%

  • Não tenho a PS4 Pro mas também não tenho interesse na próxima Xbox

    37%

  • Prefiro jogar no computador

    38%