Portugueses lideram quando toca a atualizar apps

Os dados são de um estudo que analisa a "saúde digital" em 17 países do mundo e que coloca Portugal no grupo onde os utilizadores mais costumam atualizar as aplicações que mantêm nos seus telefones.

tek smartphones sensor digitais

De acordo com a informação reunida pela Kaspersky Lab, 62,5 % dos portugueses referem que atualizam as suas apps e sistemas operativos de acordo com as recomendações do utilizador.

A nível mundial, há uma tendência para se acumularem aplicações nos telemóveis ainda que muitas vezes não sejam necessárias. Entre os inquiridos, os utilizadores instalam 12 apps Android a cada mês, apagando apenas 10.

Em Portugal esse número cresce para 18 apps instaladas por mês – em telefone, tablet ou computador. Além disso, só cerca de metade dos utilizadores portugueses (54,4%) revê com regularidade os conteúdos que tem no seu dispositivo e apaga documentos e aplicações que já não utiliza.

No geral o inquérito indica que 28% dos utilizadores só fazem a atualização das suas aplicações quando são obrigados e 10% admitem não as fazer de todo, um comportamento que atinge apenas 3,3% dos portugueses.

As conclusões a que se chegou são parte de um novo relatório elaborado pela Kaspersky Lab chamado “Digital Clutter e os seus perigos”. O estudo é baseado num insight conseguido através da combinação de um inquérito online com a participação de mais de 16 mil pessoas em 17 países (Portugal, Espanha, Holanda, República Checa, Hungria, Turquia, Israel, Japão, México, Colômbia, Brasil, EUA, Rússia, EAU, Índia, Indonésia e Vietname), uma análise estatística feita pelo Kaspersky Security Network (KSN), e de uma experiência em torno do desempenho das aplicações elaborada pelos analistas internos da Kaspersky Lab.

O aumento do digital clutter significa que a limpeza e a atualização das aplicações são agora mais importantes do que nunca para combater o malware que se aproveita das vulnerabilidades das aplicações para entrar nos dispositivos, alerta a Kaspersky Lab. 

Nokia 3310

O Nokia 3310 recupera a nostalgia de uma das primeiras gerações de telemóveis. Está disposto/a a comprar um?

Mais informação

  • Sim e vou abandonar o meu smartphone

    19%

  • Sim, mas só para jogar Snake

    10%

  • Vou oferecer a alguém

    10%

  • Não, é só um "dumbphone"

    59%