De vez em quando convém ir espreitando o que o universo das aplicações tem de novo para oferecer e aqui no TEK tentamos ajudá-lo propondo uma sugestão por dia. Ao domingo é dia de reunir as "hostes".

O conjunto desta semana é bastante heterogéneo e cobre desde a edição de imagem que permite trocar caras, à produtividade em que se tiram fotos que se podem transformar em PDFs. Também vai poder jogar com a Apple, mas vamos sugerir-lhe que não se perca, entre outras propostas.

Saiba tudo nas linhas de texto, galerias e vídeos a seguir.

Microsoft também tem app “troca caras”… mas para Android

O nome não é novo, mas este Face Swap é. Trata-se de uma nova aplicação de edição de fotos desenvolvida pela Microsoft para a plataforma móvel da Google.

E tal como o nome sugere, e como outras do seu género, a Face Swap permite que troque de cara com quem quiser – ou será de corpo? Tudo começa com uma selfie registada a partir da aplicação ou com uma qualquer imagem da galeria do telefone e continua com a aplicação do seu rosto a um número quase infinito de hipóteses.

Isto porque além das fotos dos seus amigos e familiares, pode pesquisar entre artistas, políticos ou modelos graças ao motor de busca Bing, que vem integrado na app. Ajustes feitos automaticamente e voilá.

A Microsoft explica como tudo funciona num vídeo.

A Face Swap é gratuita e livre de publicidade, mas de momento ainda só está disponível para alguns países. Fica o link para facilitar o download.

Apple anuncia... Monument Valley 2

O jogo já está disponível para iOS e vai chegar dentro de pouco tempo ao Android.

Uma das surpresas do primeiro dia de WWDC foi o anúncio de Monument Valley 2. O jogo serviu de mote para a apresentação da nova App Store e, em especial, para introduzir a nova secção de jogos da mesma.

O título é um dos mais populares de sempre neste segmento e um dos mais aclamados também. O primeiro jogo chegou às lojas em 2014 e desde então que já conta com mais de 30 milhões de downloads.

Nesta sequela vai poder encontrar as mesmas mecânicas e a mesma lógica de sempre.

A aventura desenrola-se no mesmo universo e conta a história de uma mãe e de uma filha que embarcam numa jornada de descoberta por um mundo "impossível", cheio de puzzles e mecânicas surpreendentes.

Tudo isto é apresentado ao utilizador embrulhado em cenários coloridos inspirados em técnicas de ilustração da primeira metade do século 20.

Em comunicado, a ustwo Games afirma que "o resultado final é um jogo onde cada capítulo é único, cada som é cativante e cada momento é belo".

"Queríamos encontrar a justificação perfeita para voltar a Monument Valley e a história de uma mãe, que não é apenas uma progenitora, mas também a criadora deste mundo, é uma narrativa que nos faz sentir compelidos a contar", escreve Dan Gray, diretor do estúdio. "Passámos cerca de dois anos a contratar algumas das pessoas mais talentosas da indústria para esta equipa e estamos entusiasmados para mostrar esta nova abordagem a um jogo que tem sido pedido pelos fãs".

Monument Valley 2 já está disponível para iOS por 5,49 euros, e chegará brevemente ao Android.

Interland: Para ensinar os jovens a melhorar comportamentos online

Jogar e navegar de forma segura, mantendo-se do "lado bom" da Internet, é uma lição que um novo jogo promovido pela Google quer ensinar aos mais novos.

Chama-se Interland e é um jogo para browser que desafia os utilizadores a passarem vários níveis, respondendo a questões variadas que estão relacionadas com os melhores comportamentos online. Ao todo são cinco princípios, que encontram correspondência em quatro "mundos" onde os jogadores são confrontados com hackers, trolls, bullies e roubo de informação, vestindo a pele de um pequeno personagem azul.

Neste mundo virtual, que adopta uma estética colorida e geométrica muito semelhante à de Journey, o utilizador é confrontado com problemas que o preparam para cinco ameaçaas cibernéticas: hackers, bullies, phishers e os chamados "over-sharers" (pessoas que partilham demasiadas informações pessoais online).

Os jogos vão desde a construção de uma password complexa e difí­cil de decifrar pelos hackers, com recurso a blocos de letras que o jogador encontra pelo caminho, à seleção de entidades estranhas que se cruzam no caminho e que devem ser "bloqueadas" e "reportadas"

A ideia é ensinar como se manter na internet smart, alerta, forte, amável e corajoso, tudo através de uma série de conteúdos que foram desenvolvidos com vários parceiros e que estão presentes no jogo, mas que fazem parte de uma iniciativa mais vasta, a Internet Awesome.

Ao longo do jogo os jovens são convidados a responder a perguntas mas também a fazer escolhas, bloqueando comportamentos errados e promovendo o que está correto nas atitudes online, para si e com os outros.

O jogo Interland pode ser acessível em qualquer browser de nova geração.

Scan: a app da Adobe que dá superpoderes ao telefone para reconhecer texto

Lançada recentemente, esta aplicação gratuita permite criar ficheiros PDF editáveis. Só precisa de tirar uma foto.

Tal como o nome deixa adivinhar, a nova aplicação transforma o smartphone numa espécie de scanner. O utilizador só tem de tirar uma fotografia do recibo, documento, formulário, texto ou gráfico em questão.

A Adobe Scan trata da “magia” da transformação graças a uma tecnologia de reconhecimento, capaz de detetar margens e outros elementos , automaticamente, a partir da imagem .

Um vídeo da Adobe explica como tudo funciona.

A aplicação tem versão para Android e para iOS e já está disponível para download nas respetivas lojas das plataformas móveis.

Path Guide é a aplicação de navegação que deve utilizar em zonas interiores

Foi desenvolvida pela Microsoft e está disponível para Android. A ideia é orientá-lo em edifícios pouco familiares, como aeroportos, através de rotas desenvolvidas por outros utilizadores.

A Microsoft lançou uma nova aplicação para Android. Falamos da Path Guide, uma app que lhe permite criar, seguir e partilhar rotas personalizadas em zonas indoor, distanciando-se assim das utilidade de outras aplicações como o Google Maps.

A gravação de rotas é tão simples quanto dar uma caminhada pelas direções que pretende seguir. Basta ativar a funcionalidade de gravação na app, guardar o smartphone no bolso e seguir caminho. Quando terminar, assinale e grave.

A ideia desta app é facilitar a navegação dentro de zonas demasiado amplas ou frequentadas - como o aeroporto de Gatwick está a tentar fazer com recurso à realidade aumentada - suprimindo assim a necessidade de vaguear entre várias zonas para chegar ao seu destino.

As possibilidades de utilização, neste caso, são várias. Imagine que tem uma entrevista de emprego num edifício com centenas de escritórios onde nunca esteve anteriormente. A ideia, com esta app, é dizer-lhe que teria de atravessar todo o corredor de entrada, virar à esquerda, apanhar o primeiro elevador a contar da direita, subir até ao 20º andar, sair, virar à esquerda e bater à segunda porta à sua direita. Desta forma suprime-se todo o inconveniente de confirmar e reconfirmar o caminho, que, na pior das hipóteses, podia até levar a um atraso.

A Path Guide chegou à Play Store há poucos dias e tem ainda muito poucos percursos disponíveis, mas o leitor poderá começar a enriquecer-lhe o catálogo. O download é gratuito e está disponível através deste link.

SketchAR: A realidade aumentada também pode dar uma ajuda para desenhar

Em vez de seguir uma figura pré-desenhada no papel, esta aplicação recorre ao ecrã do telemóvel para dar pistas sobre a forma como deve traçar as linhas. 

A imagem virtual serve de guia para acompanhar no papel e pode ser uma ajuda preciosa para quem tem alguma dificuldade em cumprir um desenho, que pode ser simples ou complexo, desde que tenha "bom olho" e mão segura.
Há diversos desenhos de base que pode seguir, escolhendo entre uma galeria já carregada na app.
O modelo pode ser aplicado em papel ou numa parede, em desenhos pequenos, que permitam a visualização no ecrã e a distância certa até ao papel, mas também em projetos de maior dimensão, como um grafiti, onde pode encontrar as linhas a seguir até ao resultado final.
A app ainda está a afinar o conceito, como os próprios criadores admite, e tem alguns passos a dar, mas é já uma primeira ajuda para quem quer desenhar. Um dos problemas identificados é que funciona melhor para destros, existindo várias queixas de esquerdinos que têm dificuldade a colocar em prática o conceito da app.
A SketchAR está disponível para Android mas só para modelos com suporte ao projeto Tango - o Lenovo Phab 2 ou o Asus ZenPhone AR - mas também funciona com o iPhone. Em ambos os casos o download é gratuito.
Nota de Redação: Embora o título dê a entender que as aplicações são, no seu conjunto, todas gratuitas, há realmente uma paga, como apontado por um dos nossos leitores. O TEK deixa um pedido de desculpas pelo erro.