Depois dos sensores de impressões digitais frontais, laterais e traseiros, espera-se agora que as tecnológicas desenvolvam uma técnica para os integrar mesmo por debaixo dos ecrãs dos equipamentos. Na prática, a tecnologia permitiria que tanto os smartphones como os tablets se expandissem em polegadas sem por isso afetar a dimensão total da estrutura do dispositivo. Por outro lado, claro, a validação biométrica poderia passar a ser feita diretamente no display, alargando o leque de possíveis funcionalidades presentes nas aplicações do futuro.

Os leaks até agora publicados mostram-nos que o próximo Galaxy S não deverá seguir este caminho, mas o iPhone, ainda envolto em mistério, pode revelar boas surpresas neste campo.

Numa das últimas patentes submetidas pela Apple é possível perceber que esse é um passo presente nos planos da tecnológica.

Com o display interativo repleto de microemissores infravermelhos, tal como é apresentado no documento agora publicado pelo Gabinete de Patentes e Marcas Registadas dos EUA, seria possível concretizar a ideia e suprimir os sensores dedicados que agora se tornaram comuns nos equipamentos móveis.

A patente foi submetida em 2014 após a aquisição da LuxVue, uma empresa especializada no desenvolvimento de ecrãs com micro emissores de luz incorporados.

Com a importância dada ao design, a Apple pode, com isto, ganhar muita margem de manobra para o desenho dos seus próximos equipamentos e assim justificar o preço inicial que tem sido avançado como o valor do seu próximo smartphone.