Alternativa gratuita ao Office com nova versão disponível

A suite de produtividade OpenOffice.org ganhou uma nova versão com melhorias e novidades face à antecessora. A versão em português desta alternativa gratuita ao Office é lançada em simultâneo com a versão em inglês.

Alternativa gratuita ao Office com nova versão disponível
A mais recente versão da suite de produtividade OpenOffice.org já está disponível para download e a versão em português é lançada em simultâneo com a versão em inglês.

Maior rapidez no arranque, novas funções, melhorias e correcções à versão anterior são algumas das novidades que pode encontrar quem descarregar a nova versão do software gratuito.

Alguns exemplos de novidades da nova versão são melhorias na folha de cálculo, renovação do módulo de gráficos para facilitar a utilização e incluir novos gráficos, assim como melhorias ao nível da compatibilidade com o formato ODF (Open Document Format) e com a suite da Microsoft, o Office. Online está disponível um guia com informação detalhada sobre as novidades da versão.

O OpenOffice.org integra uma ferramenta de tratamento de texto, folha de cálculo, apresentações, gráficos, fórmulas e base de dados numa combinação idêntica àquela que também usa a Microsoft no seu pacote de ferramentas de produtividade.

A versão anterior do OpenOffice foi lançada no ano passado e somou desde então mais de cem milhões de downloads, contabilizando apenas os pedidos realizados através da morada electrónica principal para o efeito, explicam em comunicado os promotores da iniciativa.

Em Portugal a versão 3, em português, foi descarregada 160 mil vezes (desde Outubro de 2008), a que se somam 500 mil instalações no Magalhães e outras 60 mil em portáteis do e-escola.

Votação TeK

Portugal vai introduzir legislação para limitar o uso de drones. Como olha para o tema?

Mais informação

  • É fundamental avançar rápido com leis que não limitem a inovação

    16%

  • A privacidade tem de ser garantida e a legislação deve ser clara em relação a isso

    58%

  • Penso que o debate sobre o tema deve ser mais alargado antes de impor regras

    25%