Hackers distribuem falso Patch Tuesday

O boletim de correcções da Microsoft está a ser associado à distribuição de malware. Um falso email leva os utilizadores a descarregarem uma suposta correcção aos produtos da empresa que não passa de um pacote de ficheiros maliciosos.

Aproveitando a Patch Tuesday de amanhã, dia em que a Microsoft irá disponibilizar diversas correcções dos seus produtos, está a circular uma mensagem de correio electrónico que simula ser possível descarregar um pacote de actualizações para sistemas operativos Windows.

O email utiliza o nome do director de segurança da Microsoft, Steve Lipner, para fazer passar a mensagem que, na verdade, não passa de um engodo com a finalidade de propagar malware.

Os destinatários dos emails são induzidos a descarregarem o ficheiro sob a instrução de que "o update servirá para proteger o seu computador contra ameaças de segurança e problemas relacionados com a sua performance".

A maioria dos utilizadores sabe que a Microsoft não faz qualquer actualização ou alerta de updates através de mensagens de correio electrónico com anexos. Porém, os que não estão familiarizados com o processo de update ou com o funcionamento das disponibilizações mensais de correcções da empresa, acabam por cair na estratégia e vêem-se presos a um esquema de propagação de malware, o que leva a companhia a lançar o alerta a todos os consumidores dos seus produtos.

De acordo com os especialistas de segurança, este tipo de ataque não é novo mas, dadas as evoluções tecnológicas e os avanços na concepção de troianos, eleva os riscos para o utilizador para um patamar superior.

Votação TeK

A confirmação do primeiro acidente mortal envolvendo um Tesla Model S em piloto automático mudou a forma como encara os carros que se conduzem a eles próprios?

Mais informação

  • Não, o condutor não respeitou os avisos de segurança, logo o erro foi humano e não do sistema.

    33%

  • Não, mas não tenciono tirar os olhos da estrada quando entrar num carro autónomo.

    18%

  • Não, porque já não tinha intenção de entrar num carro autónomo.

    13%

  • Sim, provou-se que a tecnologia ainda não é segura e tem de ser mais testada antes de vir para a estrada.

    34%