Num relatório, ratificado por 603 votos a favor, 27 contra e 39 abstenções, os eurodeputados aprovaram medidas para combater a cibercriminalidade e proteger infraestruturas críticas, como as redes de fornecimento de energia e as estruturas financeiras, prevendo um reforço da cooperação entre os Estados-membros para reduzir a vulnerabilidade da União Europeia (UE).

Tendo em conta o reforço da cooperação entre os Estados-membros para “reduzir a vulnerabilidade da UE a graves ciberataques provenientes de grandes organizações criminosas, patrocinados por Estados ou perpetrados por grupos terroristas”, incluem-se entre as recomendações do Parlamento Europeu (PE) o lançamento de campanhas de sensibilização para garantir que os cidadãos, em especial as crianças, mas também as administrações centrais e locais e as empresas, estejam sensibilizados para os riscos da cibercriminalidade e saibam como manter a segurança em linha e proteger os seus dispositivos.

É aconselhada também a intensificação, por parte dos Estados-Membros, dos intercâmbios de informações através da Eurojust, da Europol e da ENISA (a agência da UE para a Segurança das Redes e da Informação), que devem ser dotadas de meios adequados para melhorar a identificação das vítimas, combater as redes organizadas de agressores sexuais e acelerar a deteção, análise e encaminhamento de material pedopornográfico tanto na internet como fora dela.

Cibersegurança ganha mais destaque no roadmap da Europa com reforço da ENISA
Cibersegurança ganha mais destaque no roadmap da Europa com reforço da ENISA
Ver artigo
O investimento dos países da UE no ensino de forma a combater a falta de profissionais qualificados na área das tecnologias da informação (TI) a trabalharem em cibersegurança e a criação de uma “base de dados para registar todos os tipos de cibercriminalidade” e monitorizar a sua evolução também fazem parte das medidas apontadas pelo PE.

A instituição parlamentar defende também a promoção de medidas como a encriptação ou outras tecnologias de segurança e o reforço da privacidade e ferramentas de anonimização e a disponibilização de  mais fundos para a investigação baseada em software livre e de fonte aberta sobre segurança das TI.

O relatório prevê que os Estados-Membros colaborem com a comunidade do sector da segurança das TIC e a encorajem a desempenhar um papel mais activo na pirataria ética ("white hat hacking") e na denúncia de conteúdos ilegais, como os materiais pedopornográficos.

Recorde-se que no seu discurso do Estado da Nação o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, já tinha eleito a cibersegurança como um dos temas de destaque,  com o reforço dos poderes e âmbito de atuação da ENISA. Outubro é também o mês da cibersegurança na Europa e há vários eventos que marcam a data, também em Portugal.