O Jornal de Notícias escreve hoje que as Comissões de Proteção de Menores registaram 34 situações em dois meses e que oito estão confirmadas. Desde maio, quando surgiram as principais notícias sobre o alegado jogo que incentivava os jovens a mutilarem-se e que poderia acabar em suicídio, estas comissões já encaminharam para o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) três vezes mais casos.

Até 23 de maio estavam sinalizadas dez crianças, sem que nenhum caso fosse oficialmente confirmado, mas até esta segunda feira o jornal escreve que foram reportadas 34 novas situações ao DCIAP de um total de 44 casos.

A  CNPDPCJ adiantou ao JN que dos 44 casos sinalizados há 11 situações que não são enquadráveis no desafio Baleia Azul e que foram arquivadas, enquanto 19 ainda estão em fase de diagnóstico. Em oito das situações a Comissão confirmou que se enquadram numa situação de perigo associada ao jogo que surgiu nas redes sociais e que alertou pais e educadores portugueses no mês de maio, quando surgiu o maior volume de notícias.

Baleia Azul: a história de uma notícia falsa que se tornou um verdadeiro problema
Baleia Azul: a história de uma notícia falsa que se tornou um verdadeiro problema
Ver artigo
No mês de maio várias notícias reportaram casos de mortes de jovens que alegadamente estariam ligados a este mediático jogo que terá surgido na Rússia, mas nenhuma situação foi confirmada oficialmente como resultado do Baleia Azul. Algumas denúncias chegaram às autoridades e linhas de alerta, sendo encaminhadas para investigação.

As autoridades lançaram vários alertas e campanhas de sensibilização para dar conhecimento de sinais de perigo, mas o alegado jogo nunca foi efetivamente provado, reconhecendo-se porém o efeito de contágio e até o possível aproveitamento do fenómenos para incentivar os jovens a comportamentos de mutilação.

O fenómeno teve uma exposição global e o Brasil foi um dos países onde atingiu uma maior dimensão. Esta terça feira as autoridades acabaram por deter no Rio de Janeiro um homem de 23 anos que será um dos organizadores dos desafios.

O homem foi preso na favela Nova Era durante uma investigação que também decorreu noutros Estados do Brasil. Foram apreendidos dezenas de telemóveis e computadores que serão agora analisados pelas autoridades.

Segundo várias publicações, o homem terá confessado ter "angariado" 30 jovens para o jogo.

Prevenir e dialogar

Tal como acontece noutras situações de risco para os jovens, os conselhos dos especialistas são sempre pelo diálogo aberto. O Centro de Internet Segura defende que é importante que todos estejam atentos às descrições de fenómenos como o Baleia Azul, mas lembra que os pais devem acompanhar regularmente a utilização que os filhos fazem da Internet. "Não estamos a falar de ferramentas de monitorização e controlo parental mas, por exemplo, inteirar-se dos interesses dos jovens e inclusivamente sugerir ambientes seguros online para a exploração destes interesses", como refere o Centro ao Tek.

 A Polícia de Segurança Pública lançou uma campanha de sensibilização no mês de maio e partilhou algumas recomendações que vale a pena rever a propósito do Baleia Azul.

Segundo a PSP os pais e educadores devem estar atentos a

Estar atento aos sinais, nomeadamente:

  1. Inscrições nas palmas da mão;
  2. Sinais de automutilação nos braços, pernas e lábios;
  3. Atividades no meio da madrugada;
  4. Comportamentos de exposição ao perigo em locais altos;
  5. Ilustrações de baleias;
  6. Isolamento ou ficar sem conversar por longos períodos;
  7. Interesse repentino por filmes de terror;