A origem do fenómeno terá sido uma notícia falsa que referia a existência de 130 mortos na Rússia, mas a disseminação do conceito tem levado a um crescente número de notícias que associam comportamentos de auto-mutilação e suicídio a este alegado jogo, e a pressões que chegam através das plataformas digitais. Em Portugal vários casos foram associados ao jogo Baleia Azul e têm feito manchetes nos jornais, embora nenhum deles seja confirmado como decorrente de pressões do jogo.

As autoridades estão alertas e a PSP já avançou com uma campanha de sensibilização para o problema, mas há mais entidades preocupadas com o tema.

O Centro de Internet Segura está a colaborar com o Tek na identificação mais correta da situação, em conjunto com a informação que recebe da rede europeia InSafe, e de outros contactos com parceiros do Centro em Portugal, e confirma que recebeu um pedido de ajuda na Linha Internet Segura a 13 de abril, que foi feito por um homem, de idade indeterminada. Este referia um grupo de WhatsApp em que se joga ao desafio Baleia Azul e relatou que algumas pessoas que integravam o grupo enviavam imagens de auto-mutilação.

PSP lança nova campanha de alerta sobre perigos do jogo da Baleia Azul
PSP lança nova campanha de alerta sobre perigos do jogo da Baleia Azul
Ver artigo

Para além deste caso, que foi encaminhado para a APAV (Associação Portuguesa de Apoio à Vítima), a PSP já confirmou ao Centro a existência de duas queixas registadas até ao dia 3 de maio, onde se refere que os casos relatados são consistentes com o fenómeno da Baleia Azul. Nestas queixas as situações estão relacionadas com grupos de WhatsApp, ligados a números de telefone brasileiros, e onde os participantes são pressionados com recurso a violência psicológica para se manterem ligados. A Polícia de Segurança Pública alerta para alguns comportamentos que devem ser vigiados, especialmente inscrições nas palmas das mãos.

O Centro de Internet Segura tem vindo a acompanhar a situação com os parceiros europeus e defende que é necessário os pais e educadores estarem alerta, mas que não se deve criar um clima de medo e de especulação relacionado com o fenómeno.

No início da semana, Sofia Rasgado, coordenadora do Centro Internet Segura lembrava que "o medo que se prende com o conceito dos cultos suicidas adolescentes online não recente", mas alertava para o facto de "o fenómeno da Baleia Azul torna-se mais apelativo e mediático, considerando que ocorre numa rede social que a grande maioria das pessoas, incluindo jovens, utilizam".