Responsáveis pelos municípios de 10 das maiores cidades do mundo – entre elas Nova Iorque, nos Estados Unidos, e a capital francesa Paris, por exemplo – anunciaram a criação de um conjunto de normas comuns que permitam, de futuro, ajudar a regulamentar serviços de economia colaborativa como a Uber e a Airbnb.

A Bloomberg noticia que este “caderno” está já em preparação e que é “uma forma de estas cidades marcarem desde logo uma posição face às eventuais intenções de este tipo de serviços e empresas estabelecerem negócios nessas localizações, facilitando a existências de regras claras e vinculativas”.

Além de Nova Iorque e Paris, entre as dez grandes cidades mundiais encontram-se também Barcelona, Seul, Atenas e Toronto (o Tek está a tentar apurar se Lisboa faz igualmente parte do lote de localidades que aderiu à iniciativa), tendo o primeiro encontro ocorrido em Amesterdão durante o mês passado, segundo indica a mesma fonte. Os responsáveis de Paris, a cidade mais procurada através da plataforma Airbnb, falam mesmo de outubro como data limite para finalização do documento.

A Uber é um dos exemplos de serviços do género cuja atividade mais prolifera em Portugal, tendo recentemente anunciado a sua chegada ao Algarve, ao passo que a Airbnb é um serviço de aluguer de casas particulares que também tem registado bons níveis de adesão no nosso país, tendo chegada à marca de um milhão de utilizadores em 2015.

A atividades destes serviços de economia cooperativa é de momento regulada de forma diferente de cidade para cidade, algo que esta iniciativa conjunta pretende agora acautelar. “Ter os 20 ou 30 maiores mercados urbanos do mundo a operarem sob regras completamente diferentes não é bom para nenhuma das partes”, confessa à Bloomberg Wiley Norvell, porta-voz dos responsáveis pela City Hall de Nova Iorque, liderada por Bill de Blasio.