Ainda na senda do fenómeno da Baleia Azul, que tem alegadamente despoletado vários suicídios em redor do mundo, a Polícia de Segurança Pública lançou esta quarta-feira, dia 3 de maio, um vídeo de prevenção com o intuito de consciencializar os internautas para o desafio e para as consequências do mesmo.


Numa apresentação com um minuto e meio de duração, publicada na página de Facebook da PSP, as autoridades chamam à atenção para o possível carácter mortal deste desafio que pode levar os participantes ao suicídio.

"A adesão faz-se inicialmente através de conversações nas redes sociais, onde o jogo é apresentado e proposto por amigos. Posteriormente o administrador valida a 'aceitação' da vítima convidada e integra-a numa aplicação de conversação como o WhatsApp, através da qual passam a interagir", escreve a PSP. Depois disto, o "curador" finge interessar-se pela vitima, envolvendo-a "numa mentira fisicamente autodestrutiva e psicologicamente desestruturante". Se a vítima tentar desistir do desafio, o "curador amedronta-a, fazendo-a acreditar que está a ser vigiada" ou "que pode ser humilhada". "Para aumentar o medo são enviados vídeos falsos com agressões e raptos".

Com base no enquadramento legal, a polícia alerta também que os curadores incorrem num dos "crimes mais graves da nossa legislação". O "incitamento ou ajuda ao suicídio" pode levar a uma pena de prisão de até cinco anos.

Aos pais, professores e colegas a PSP pede atenção a qualquer um dos possíveis sinais decorrentes da participação nos desafios da Baleia Azul, como "desenhos de baleias", cortes ou "atividades a meio da madrugada". A polícia deve ser informada aquando da verificação destes casos que devem afetar em maior escala, como escreve a PSP "os jovens com tendências depressivas".

Em Portugal já foram abertas três investigações sobre casos relacionados com o desafio da Baleia Azul.