Huawei e ZTE ouvidas em processo sobre alegada espionagem

Os EUA acreditam que empresas chinesas podem ameaçar segurança nacional e investigam suspeitas de espionagem. Hoje as visadas são ouvidas.

Huawei e ZTE ouvidas em processo sobre alegada espionagem
A Huawei e a ZTE são hoje ouvidas na fase final do processo norte-americano que investiga há quase um ano, suspeitas relativamente à possibilidade das multinacionais chinesas poderem ser uma ameaça à segurança nacional.

Desenvolvida pelo Comité de Inteligência da Câmara dos Representantes, a investigação teve início em novembro do ano passado e tentou apurar em que medida a presença das empresas chinesas nos EUA podia ser usada para ações de espionagem por parte do governo chinês.

"Os chineses estão a entrar agressivamente nas nossas redes, ameaçando as nossas infraestruturas críticas e roubando segredos das empresas americanas que valem milhões de dólares em propriedade intelectual", defendia um deputado daquela comissão, na altura em que a investigação foi confirmada.

A preocupação das autoridades norte-americanas está relacionada com as possíveis "armadilhas" que os produtos dessas multinacionais, fabricantes de equipamentos para redes de telecomunicações, possam esconder, como sejam programas para a monitorização de dados críticos e confidenciais em empresas entidades governamentais estrangeiras.

A Huawei, segunda maior fabricante de equipamentos de telecomunicações, já criticou a falta de provas das acusações a si dirigidas.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Votação TeK

A confirmação do primeiro acidente mortal envolvendo um Tesla Model S em piloto automático mudou a forma como encara os carros que se conduzem a eles próprios?

Mais informação

  • Não, o condutor não respeitou os avisos de segurança, logo o erro foi humano e não do sistema.

    32%

  • Não, mas não tenciono tirar os olhos da estrada quando entrar num carro autónomo.

    18%

  • Não, porque já não tinha intenção de entrar num carro autónomo.

    13%

  • Sim, provou-se que a tecnologia ainda não é segura e tem de ser mais testada antes de vir para a estrada.

    35%