A transição vai ser gradual, envolvendo diversas fases, a primeira com enfoque na alteração mais institucional, ao nível da operação, de Portugal Telecom para Altice. Seguem-se depois as marcas comerciais, o caso da MEO e PT Empresas, no mercado português. A mudança deverá estar completa até ao final do segundo trimestre de 2018.

Ficam salvaguardadas destas alterações algumas submarcas com que a multinacional opera, nomeadamente MOCHE, UZO e SAPO, no caso de Portugal.

“Este momento assinala a unificação e o reforço da marca Altice, assente numa estratégia de convergência, abarcando telecomunicações, conteúdos e publicidade, agora com um único modelo operacional e uma missão comum”, refere-se no comunicado enviado às redações.

A mudança de estratégia para uma identidade multinacional era esperada pela Portugal Telecom desde julho de 2015, altura em que a aquisição foi concluída, e não “assusta” a operação portuguesa.

“A empresa teve vários marcos históricos no seu século de existência e a identidade do grupo nunca foi 'beliscada'. Somos líderes em movimentos inovadores”, referiu fonte da PT ao Tek, apontando a integração da marca TMN, e dos seus mais de 20 anos de história, na MEO, como exemplo.

Montra TeK: TMN despede-se após mais de duas décadas no mercado
Montra TeK: TMN despede-se após mais de duas décadas no mercado
Ver artigo

A par da Portugal Telecom, da MEO e da PT Empresas, a estratégia de reposicionamento do grupo francês como marca global também vai levar a outras “mudanças institucionais” que envolvam tais denominações. Estamos a lembrar-nos que provavelmente teremos uma Altice Arena e um Altice Sudueste. Mas esse pelo menos só para o ano, porque o deste ano continua MEO.