Portugueses concentram comunicações em menos contas móveis

Dados divulgados pela Anacom revelam que no último trimestre do ano passado os portugueses concentraram as comunicações móveis num menor número de cartões, uma questão que também se relaciona com a menor utilização das placas móveis.

Portugueses concentram comunicações em menos contas móveis
O número de contas móveis realmente usadas no último trimestre do ano passado diminuiu, uma tendência que se registou pela primeira vez desde que estes dados são recolhidos, como explica a Anacom numa nota de imprensa hoje divulgada.

No final do ano existiam no país 16,8 milhões de contas móveis ativas (estações móveis ativas, na designação do regulador), mais 1% que nos três meses anteriores. Destas, 13,4 milhões foram efetivamente usadas entre novembro e dezembro, valor que traduz uma queda de 0,5%.

O número desce mais um pouco excluindo as placas ou modems utilizados apenas para acesso à Internet móvel, reduzindo para 12,3 milhões o número de contas móveis usadas para dar suporte a telemóveis, o que ainda assim garante uma taxa de penetração móvel acima dos 100%.

Os dados hoje disponibilizados pela Anacom também permitem concluir que no final do ano usavam serviços de 3ª geração mais de 4 milhões de utilizadores, o que representa um crescimento destes serviços - videochamada, Internet no telemóvel, televisão, entre outros - na ordem dos 4,4%.

Também se apurou que no tráfego de banda larga 27,3% foi registado por modems ou placas de acesso à Internet via rede móvel, valor que representa uma diminuição de 11,3% face ao período homólogo.

Entre novembro e dezembro de 2011 foram realizadas na rede móvel 2,2 mil milhões de chamadas, menos 2% que no trimestre anterior, para um total de 5,4 mil milhões de minutos de conversação. Foram enviadas 7,1 mil milhões de mensagens, 5,7% mais que nos três meses anteriores.


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Cristina A. Ferreira

Votação TeK

A confirmação do primeiro acidente mortal envolvendo um Tesla Model S em piloto automático mudou a forma como encara os carros que se conduzem a eles próprios?

Mais informação

  • Não, o condutor não respeitou os avisos de segurança, logo o erro foi humano e não do sistema.

    33%

  • Não, mas não tenciono tirar os olhos da estrada quando entrar num carro autónomo.

    17%

  • Não, porque já não tinha intenção de entrar num carro autónomo.

    13%

  • Sim, provou-se que a tecnologia ainda não é segura e tem de ser mais testada antes de vir para a estrada.

    35%