Os novos cartões estão a ser testados na África do Sul e a empresa espera que a experiência seja alargada ao resto do mundo até ao final de 2017, segundo avança a publicação Engadget.

Assim que a tecnologia estiver pronta, as instituições bancárias aderentes irão informar os seus clientes que têm à disposição os novos cartões biométricos. Os interessados deverão dirigir-se a um local indicado para ter as suas impressões digitalizadas e a informação resultante encriptada para depois ser armazenada no chip do cartão.

Podem ser registadas até duas impressões digitais no cartão, mas ambas do seu proprietário, ou seja, não é possível ter impressões digitais de outra pessoa para que ela também possa usar o cartão.

Os futuros cartões vão poder ser usados nos terminais de pagamento compatíveis com a leitura de chips, já institucionalizados em todo o mundo. Só não funcionam com leitura por banda magnética.