O objetivo é ajudar a localizar pessoas perdidas ou desorientadas, uma iniciativa que junta a PSP e a Fundação PT e que agora junta também Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Alzheimer Portugal, Fundação Liga, CRINABEL e CERCILISBOA.

As crianças foram o primeiro público alvo do programa, mas as necessidades reveladas pelo público sénior ditaram a criação de um piloto que foi lançado em dezembro de 2015 e que abrangeu 500 pessoas. Com a prova de conceito feita a iniciativa alarga-se agora a todo o país, de forma simples.

Para aderir basta fazer a pré-inscrição no site e levantar a pulseira na esquadra selecionada. Há a possibilidade de ser o próprio adulto a solicitar o dispositivo, ou um cuidador, que pode ser também uma instituição de quem esteja a cargo.

As pulseiras são gratuitas e não existe nenhum dado de identificação do utilizador, o que ajuda a proteger a sua privacidade. Cada pulseira tem uma fita em tom neutro e uma chapa metálica com um código alfanumérico, que é único para cada utilizador e que pode ser descodificado pela PSP na sequência de uma chamada para o número de emergência 112.