O lançamento do Windows 10, há exatamente um ano, ficou marcado por ser a primeira vez em que a Microsoft decidiu oferecer um sistema operativo. Desde então que todos os utilizadores das versões 7 e 8/8.1 podem fazer a respetiva atualização e começar a experimentar o (ainda considerado) novo Windows 10.

E os números de utilização do mais recente sistema operativo da Microsoft apontam já para 350 milhões de computadores com Windows 10 instalado e qualquer coisa como 135 mil milhões de horas de utilização, com “os melhores índices de satisfação de sempre”, diz a multinacional em comunicado.

Agora, doze meses depois do “dia um” e numa altura em que a sugestão de update para o Windows 10 passou a ser menos “agressiva”, há duas questões a ter em atenção: primeiro, estamos a um mês de terminar o prazo dado pela Microsoft para os utilizadores dos Windows 7 e 8/8.1 “passarem” para a versão 10; segundo, já foi anunciado para dia 2 de agosto o lançamento da primeira grande atualização para este novo Windows, que traz algumas novidades de monta.  

Em relação ao primeiro ponto, o Tek dá uma ajuda caso ainda tenha dúvida sobre as vantagens e desvantagens de instalar o Windows 10, sem esquecer os requisitos mínimos de hardware necessários e as diferenças existentes no sistema operativo, até porque estas são algumas, principalmente ao nível gráfico e de “arrumação” de elementos e funcionalidades.

Mas, afinal, deve ou não instalar o Windows 10, visto que até é gratuito durante mais um mês? O nosso conselho é sim. Mas já lá vamos.

No que toca ao segundo ponto, dirigido apenas aos que já procederam à instalação do Windows 10, o mais importante a saber é que a partir de dia 2 de agosto o seu computador vai começar certamente a sugerir a maior das atualizações até agora, a Windows 10 Anniversary Update, que inclui as seguintes novidades, que foram anunciadas hoje oficialmente, conforme o que também já tínhamos visto antes no Tek.

Ao nível da segurança, é agora adicionada ao Windows 10 a Defender Advanced Threat Protection, ao mesmo tempo que surge a funcionalidade Windows Ink (destinada a equipamentos com ecrãs táteis manuseáveis com estilete), uma maior produtividade no assistente pessoal Cortana, um browser Edge mais eficiente e, acima de tudo, o Xbox Play Anywhere, plataforma que permite comprar um jogo e “aproveitá-lo” tanto na Xbox One como em ambiente Windows 10. Relembramos que aceitar o Windows 10 Anniversary Update requer a presença de 2 GB de memória RAM, pelo menos, o dobro do que o Windows 10 original “pede” na versão de 32-bits.

Instalar ou não instalar o Windows 10?

Seja ou não por se sentir pressionado pela “sugestão” da Microsoft que vai aparecendo no seu computador com Windows 7 ou 8/8.1 insistentemente, a instalação é recomenda-se, de uma forma geral. Não só porque se trata da mais recente versão do sistema operativo (e a melhor forma de ter acesso gratuito ao que de mais recente a Microsoft tem feito para melhorar a plataforma), mas também porque, no fundo, não irá notar grandes diferenças ao nível do desempenho e no normal uso diário do seu computador com Windows 7 ou 8. Em máquinas com versões anteriores, a situação poderá ser diferente, contudo.

É importante que saiba que pode reverter a instalação durante o mês seguinte à mesma, caso se depare com algum problema ou incompatibilidade, ou simplesmente por não gostar do novo Windows 10. Basta usar as funcionalidades de restauro do sistema operativo, indo às opções de Recuperação, que estão na secção Atualização e segurança das Configurações. Aconselha-se igualmente que faça um backup completo do sistema e dos seus dados antes de iniciar qualquer processo de atualização.

Lembre-se também que, após a instalação (e mesmo que o processo indique que tudo irá funcionar bem em termos de hardware e respetivas compatibilidades), deve proceder à atualização dos controladores de todos os componentes de hardware que compõem o seu computador. Principalmente a placa gráfica, que pode ser a “peça na engrenagem” que apresenta maiores probabilidades de “acusar” a mudança.

Condições mínimas reunidas?

Basicamente, se o seu computador ou portátil é relativamente recente e já trazia instalado o Windows 7 ou 8, não existem dúvidas. Verdade é que pode sempre haver algo que corra mal, mas a esmagadora maioria dos casos deste género que conhecemos não registaram qualquer problema na atualização gratuita para o Windows 10. O processo indica desde logo se todas as condições estão reunidas tanto a nível de hardware como de software, mas pode acontecer que algumas das mensagens positivas não sejam de todo verdadeiras...

Se usa programas ou pouco mais antigos ou bastante específicos, é aconselhável que visite os respetivos sites e verifique se existe suporte e compatibilidade para o Windows 10. O mesmo acontece em relação ao hardware, principalmente no caso de máquinas, componentes e periféricos que tenham já alguns anos de mercado.

Em termos de requisitos mínimos, o processo de instalação avisa desde logo caso não existam condições para tal. É preciso que estejam presentes um processador a 1 GHz, 1 GB de memória RAM (2 GB para a atualização de 10º aniversário ou para versões 64-bits), pelo menos 20 GB de espaço em disco e placa gráfica compatível com DirectX 9. Qualquer computador com CPU de dois núcleos e 4 GB de  memória RAM vai correr o Windows 10 sem qualquer problema, diz a Microsoft, pois estas são as configurações recomendadas.

Como já referimos, além de ser possível reverter a instalação, lembre-se que esta também não é obrigatória. Pode muito bem continuar a usar o seu Windows 7 ou 8/8.1 e ignorar para já a chegada do Windows 10. Mas é certo que perderá algumas melhorias e funcionalidades novas que a Microsoft apresenta nesta versão mais recente do Windows, e que “corrigem”, de certa forma, alguns pormenores que não reuniram consenso nas edições anteriores.

Falamos, por exemplo, do regresso do botão Iniciar ao ecrã principal, do novo centro de notificações, do assistente pessoal Cortana (que até pode ser ativado por voz) e da reformulada integração com o universo Xbox. Ao nível da segurança, o nível do Windows 10 está também mais elevado face ao passado, tendo sido corrigido um vasto lote de bugs que afetavam as versões anteriores, diz a Microsoft. Há funcionalidades e programas nativos que vai perder, como é o caso do Windows Media Center, mas esse acaba por ser o “preço” a pagar pela inovação…

Por falar em preços, este é talvez o fator que mais pode motivar os utilizadores que ainda não fizeram a atualização. Após dia 29 de julho, instalar o novo sistema operativo sobre o Windows 7 ou 8/8.1 vai custar 119 dólares na versão de 32-bits e 199 dólares na de 64-bits, não sendo ainda conhecidos os preços finais para o mercado português.