À primeira vista, parece um PC desktop mini, daqueles que normalmente constituem um posto de trabalho numa pequena ou média empresa, por exemplo; olhando mais de perto, percebemos perfeitamente do que se trata. O T-453mini é um dos vários discos de rede avançados que a QNAP apresenta no seu portfólio.

E o objetivo é simples, por um lado, mas também complexo, por outro. A simplicidade está no propósito deste tipo de equipamento, facilmente resumido em três funções-chave: armazenar, salvaguardar e partilhar os seus ficheiros. A complexidade, essa, está na forma como tudo isto é efetuado de modo avançado e otimizado, indo um pouco mais além do que vai normalmente o mais tradicional dos discos de rede, vulgos NAS.

Ou seja, aos olhos de um profissional de uma empresa de TI, por exemplo, o funcionamento de um NAS vertical avançado como este será relativamente simples, da mesma forma que o é a respetiva configuração e gestão.

 

Mas para o utilizador doméstico, aquele que pretende apenas armazenar todos os seus conteúdos de forma eficaz, o conceito pode parecer um pouco mais complicado. Na verdade, isso não acontece com este modelo, até porque o TS-453mini disponibiliza três “trunfos” que, pelos nossos testes, nos parecem essenciais – possibilidade de configuração em RAID, utilização como se fosse um PC e compatibilidade com várias apps móveis gratuitas. Passamos a explicar, e a apresentar os pontos mais positivos (e menos) positivos deste equipamento da QNAP.

Design “old school”

Dentro do segmento, o aspecto exterior do TS-453mini nem é assim tão “antiquado”. Apenas o denominamos deste modo por não ser de todo o NAS mais agradável à vista dentro duma perspectiva de utilizador doméstico que tem o seu escritório bem decorado.

A caixa apresenta-se com 210 x 151 x 200 mm e 2 kg, “envolta” num design tipo cubo com superfícies em plástico espelhado. A tampa que cobre as quatro baías para instalação de discos rígidos SSD ou HDD é magnética, facilitando o encaixe.

Este é um NAS avançado pensado para um uso não só num escritório como também numa sala de estar, eventualmente, dadas as linhas visuais razoavelmente atrativas. Isto porque, além do design, o conjunto de ligações presentes e o simples e eficaz comando à distância deixam antever uma utilização como centro multimédia, além das principais funções de backup. Num ambiente doméstico, claro.

 

O QNAP TS-453mini parece um computador. E, tal como parece, também o pode ser, efetivamente. Isto porque tivemos oportunidade de colocar o TS-453mini a funcionar como se de um computador se tratasse. Não através da instalação de um sistema operativo como o Windows 10 diretamente, por exemplo, mas sim tirando proveito da tecnologia QvPC desenvolvida pela QNAP. Mas já lá vamos.

Mais velocidade?

Apesar de não termos conseguido notar grandes diferenças com base nas experiências que fizemos, a QNAP garante que a presença de um disco SSD de menor capacidade numa das slots compatíveis pode ser uma grande forma de maximizar o desempenho desta “pequena” máquina.

O TS-453mini foi-nos cedido pela marca já com um disco rígido HDD de 640 GB instalado, além de um disco SSD de 128 GB para efeitos de aceleramento de cache. O que fizemos a seguir foi instalar um segundo disco HDD com a mesma capacidade e proceder à configuração de backup em RAID, processo que se revelou simples e rápido de concluir.

A ideia era criar um sistema capaz de fazer uma cópia em tempo real de tudo o que é armazenado no disco HDD primário, num ambiente de redundância. Imagine que o TS-453mini está a servir para fazer backup de toda a sua coleção de música descarregada de um serviço online, por exemplo, e também de todo o seu espólio de vídeos de férias em 4K. Neste ambiente, ao colocar novos conteúdos no disco HDD primário, o secundário está igualmente a salvaguardar tudo em “modo espelho”, garantindo uma segunda cópia.

No que toca à aceleração de cache, a principal razão pela qual pode estar presente um disco SSD neste sistema, é aplicável apenas em ambientes mais profissionais, praticamente. A marca afirma que o desempenho IOPS (Input/Output Operations Per Second) pode subir até dez vezes, mas nos nossos testes, um pouco mais “leves”, não tivemos forma de comprovar esta questão de modo convincente. Neste caso particular do TS-453mini, apenas as slots um e dois são compatíveis com SSD, sendo possível usar um máximo de duas unidades do género.

Instalação e uso simples

A instalação dos discos, fisicamente, é aqui um processo muito fácil. As quatro slots de acesso no topo, removendo a tampa magnética, são desbloqueáveis através de um mecanismo próprio em plástico e removíveis, para encaixe dos discos com ajuda de parafusos. Os discos HDD devem ser colocados na vertical, por assim dizer, enquanto os SSD ocupam uma posição horizontal, como pode ver pelas imagens de uma das galerias deste artigo.

Depois, é certo que o sistema operativo que o TS-453mini toma como base de funcionamento deverá já estar instalado de raiz, sendo necessário apenas verificar se se encontra na versão mais recente, neste caso a QTS 4.3. Aqui notam-se algumas novidades e melhorias face à anterior, principalmente ao nível da tentativa de deixar a interface e o uso um pouco mais intuitivo e “amigo” do utilizador doméstico, parece-nos.

Além deste passo, existe um código QR bem visível na embalagem do equipamento e que dá início e acesso ao processo de configuração inicial, bem como ao download de todos os recursos necessários. Deverá criar uma conta de utilizador que permita manusear sem problemas as diferentes aplicações e também dar acesso à cloud associada ao TS-453mini.

Como se fosse um PC

Dentro deste lote de possibilidades, há algo que pode interessar especialmente num ambiente de escritório doméstico ou até mesma na sala de estar: a opção de uso do TS-453mini com um ecrã e periféricos convencionais, para diversas finalidades.

No fundo, deste NAS vertical está um computador em ponto pequeno, da mesma forma que existe um sistema operativo recheado de programas e aplicações que garante a gestão e execução de várias tarefas. Logo, graças às várias ligações existentes na parte posterior da caixa – HDMI, duas portas Ethernet, três portas USB 3.0 e outras duas 2.0 – torna-se possível ligar o TS-453mini a um televisor ou monitor, do mesmo pode que podemos instalar um rato e um teclado via USB. O uso enquanto media center de sala, por exemplo, fica facilitado, até porque o processo solicita a instalação da interface HD Station, que faz com que tudo fique devidamente otimizado quando em plena relação com a TV.

O que acontece é que este NAS consegue realmente simular várias áreas de trabalho através daquilo a que se chama máquinas virtuais, além de proporcionar interfaces que permitem utilizar várias apps, por assim dizer, e estas apps conseguem efetivamente dar-nos acesso às normais funcionalidades de um computador, como por exemplo acesso à sua caixa de e-mail, browser, YouTube e muito mais.

Funciona e é recomendado a utilizadores um pouco mais experientes. Se não se toma como parte deste grupo, o nosso conselho é que deixe este tipo de tarefas para o computador convencional e se limite a aproveitar todas as outras eficazes funções do TS-453mini.

Reprodução multimédia e via apps

Será bom sublinhar que, após as opções estarem conforme desejamos, é uma boa surpresa percebermos que podemos gerir, reproduzir e aceder a qualquer ficheiro armazenado de forma simples e intuitiva recorrendo ao smartphone e/ou ao tablet.

A QNAP desenvolveu uma série de apps móveis para iOS e Android que podemos descarregar gratuitamente e utilizar para o efeito. Mesmo assim, achamos estranho existirem tantas apps e soluções distintas… A Qfile, a Qmanager, a Qsirch e a QSync garantem a gestão, manutenção e sincronização dos conteúdos, sendo que depois existem outras para a reprodução à distância, no equipamento móvel, de diferentes tipos de ficheiros multimédia, da Qphotos à Qmusic.

Não há dúvida de que as vantagens são enormes, mas não teria sido mais eficaz e simples centrar todas as possibilidade e funcionalidades do género numa única app? Ou em duas ou três, no máximo, caso seja a ideia não juntar a reprodução multimédia à gestão e pesquisa de ficheiros, por exemplo. As interfaces são bastante clean e de uso facilitado.

Compatível com IFTTT

Bem, não para todos. Pelo menos, apenas para os que entendem inglês, visto que este tipo de configurações têm de ser geridas nessa língua (como todos as restantes configurações do TS-453mini). Seja como for, para criarmos ações IFTTT relacionadas com o funcionamento deste NAS temos de ter ou criar uma conta IFTTT, como seria de esperar. E também ter “por perto” os dados da conta myQNAPCloud a que temos direito com a aquisição do TS-453mini.

Confessamos que não explorámos muito esta funcionalidade, assente no que a QNAP chama de IFTTT Agent, mas é certo que pode assim estabelecer ordens e automatismos como “Começar a reproduzir as minhas músicas assim que entro em casa” ou “Iniciar backup no TS-453mini sempre que coloco uma foto no Facebook”.

Em suma, e até porque os 519 euros pedidos pela QNAP pelo TS-453mini podem ser um valor demasiado alto para um equipamento do género (algumas marcas concorrentes disponibilizam dispositivos um pouco mais simples mas igualmente eficazes por menos dinheiro, ou já com discos rígidos incluídos…), recomenda-se o uso de um NAS como este num ambiente de pequeno e/ou médio escritório ou empresa.

Até porque a maioria dos equipamentos móveis, computadores ou televisões podem depois “comunicar” com um NAS convencional ligado à mesma rede e assumirem por si próprios as funções de centro multimédia. Basta pensar na combinação entre uma Smart TV (ou uma box Android…) e um disco NAS “escondido” no escritório e armazenando todos os nossos ficheiros multimédia.

Para entendidos ou para todos?

Para um utilizador mais entendido, contudo, uma solução como o QNAP TS-453mini trará sempre vantagens, pois todo o funcionamento assenta num sistema operativo próprio e com tanta versatilidade e flexibilidade pode fazer maravilhas num ambiente empresarial em que se torna necessário recorrer a plataformas assentes em máquinas virtuais e a um sistema de colaboração constante.

Aliás, as funcionalidades dentro desta área são tantas neste equipamento que difícil o objetivo será sempre colocá-las todas em ação no mesmo ambiente, desde a virtualização à opção de gestão de vídeos de vigilância 24 horas por dia, sem esquecer a transcodificação de vídeo em alta definição, as muitas opções de encriptação e segurança, a recuperação de dados e a partilha de ficheiros entre diferentes sistemas operativos, por exemplo.

A par de uma ventoinha interna que praticamente não se ouve mesmo em funcionamento mais intenso, o TS-453mini tem no interior um processador Intel Celeron a 2 GHz, gráfica integrada Intel HD, 2 GB de memória RAM e 512 MB de memória flash. Existem quatro slots para encaixe e instalação rápida de discos HDD ou SSD de 2,5 ou 3,5 polegadas.

Juntando a isto a solução consistente de backup, gestão e sincronização de ficheiros perfeita que o TS-453mini consegue ser, sem esquecer o suporte para quatro discos bem “relacionados” entre si (incluindo até compatibilidade com SSD para aceleração de cache), então estamos perante um recurso perfeito para trabalhar.

Para lazer em ambiente doméstico, a “derivação” como centro multimédia do TS-453mini também é positiva, embora não tão eficaz, abrindo aqui espaço para outro tipo de soluções como melhor relação desempenho/preço.

A diferença de preço está, essencialmente, relacionada com o facto de esta ser uma solução muito mais bem equipada a nível de hardware do que um disco de rede convencional, dando resposta às necessidades do utilizador “caseiro” que sempre sonhou ter um media center na sala e está disposto a pagar um pouco mais para tal. Isto porque a configuração presente no TS-453mini está bem composta. Uma solução equilibrada.