Lançado em Portugal este verão, o Huawei Ascend P1 é o melhor telefone que a fabricante chinesa tem, atualmente, em comercialização. Mais conhecida pelos produtos que fabricava enquanto OEM, adotou este ano uma estratégia diferente, com o lançamento de smartpnhones em vários mercados internacionais, com o preço (449 euros, livre de operador) a apresentar-se como um fator determinante.

A empresa tenta ganhar à concorrência vendendo equipamentos a preços mais próximos daqueles que são os habitualmente praticados para os chamados produtos "de marca branca", mas sem deixar de oferecer uma experiência de marca - mesmo que o trabalho ao nível de personalização de interface e serviços que diferenciem a experiência de utilização não seja de saltar imediatamente à vista.

Depois de uma experiência que não nos deixou particularmente impressionados a propósito do lançamento do primeiro smartphone da marca a chegar ao mercado português, tivemos agora oportunidade de ser (bem) surpreendidos pelo modelo que ocupa o lugar topo de gama enquanto a Huawei não faz chegar às lojas o prometido quad-core.

[caption]Ascend P1[/caption]

Antes de mais cumpre esclarecer que a referida inexistência de grandes devaneios da marca ao nível da personalização da interface não pode ser entendida como um ponto em seu desfavor pelos que apreciam o sistema operativo móvel da Google na sua essência - e aqui na sua versão 4.0.3 (Ice Cream Sandwich). Mas saiba também que não deixam de ficar assegurados os widgets para leitores multimédia, agendas e afins, assim como alguns "temas" próprios da marca.

A experiência com o Huawei Ascend P1 é boa desde o momento em que pegamos no equipamento. Basta abrir a caixa para perceber o cuidado da fabricante em tentar apresentar um smartphone e acessórios (carregador e cabo USB, que foi tudo quanto nos foi entregue, embora o pacote comercial possa incluir auscultadores) agradáveis à vista e ao toque - e a fazerem lembrar equipamentos de outras marcas, onde o branco predomina…

[caption]Ascend P1[/caption]

Os materiais usados na construção do telefone - apesar da opção pelo plástico - também não envergonham ninguém, numa apreciação que beneficia da vantagem conferida pelo design. É ultra fino (com um desenho a fazer lembrar o Motorola Droid Razr e 7.69mm de espessura, que fazem dele mais fino que o iPhone ou o Galaxy S III, por exemplo) e leve (pesando apenas 110 gramas), pelo que assegura uma utilização confortável, apesar do generoso ecrã de 4,3 polegadas.

[caption]Ascend P1[/caption]

Já que falamos no ecrã, vale a pena referir que é Super AMOLED qHD (960x540). E que isso salta à vista durante toda a experiência de utilização do dispositivo, que se comporta sem lesar expetativas mesmo em condições de luz difíceis ou, por exemplo, quando olhamos para ele de um ângulo que podia ser prejudicado por reflexos. A imagem é nítida e as clores vívidas.

Sai-se bem também em matéria de som. As colunas cumprem a sua função durante a reprodução de conteúdos multimédia e os auscultadores e microfone comportam-se na perfeição quando fazemos chamadas. O desempenho do equipamento como leitor de música ou vídeo melhora, porém, se lhe acrescentarmos uns auscultadores dignos desse nome.

Outra das "valências" multimédia em que este equipamento se comporta com distinção é captação de conteúdos, sejam eles fotografias ou vídeos. A câmara integrada é de 8 megapixéis, fazendo justiça ao prometido pela resolução. A focagem automática funciona na perfeição e revelou-se fácil de controlar pelo utilizador quando se procura definir uma zona que queremos mais nítida em detrimento de outra - algo de que nem todos os smartphones que experimentámos se podem gabar. Ficámos satisfeitos também com o desempenho da câmara em ambientes com iluminação deficiente ou em fotografias com zonas com diferentes níveis de luz.

Conta, como é próprio do sistema operativo, para além das ferramentas tradicionais e dos sete modos de disparo (incluindo próprios para fotos de grupo, com luz fraca ou panorâmicas, por exemplo), com filtros e efeitos que se podem adicionar às imagens enquanto se dispara.

Além desta câmara, colocada na parte de trás do telefone, existe uma câmara frontal de 1,3 megapixels, que vem dar suporte às videochamadas (e aos autorretratos, provavelmente) com uma definição bastante decente.

A captação de vídeo é Full HD e também não dececionou nos testes que levámos a cabo. Foram poucos mas incluíram condições de luz difíceis e movimentos bruscos que podiam ter comprometido a focagem, mas os resultados não frustraram as expetativas. O som não foi um problema.

Outra das certezas com que ficámos foi a de que o processador incluído cumpre perfeitamente as suas atribuições. Trata-se de um dual core da Texas Instruments (TI OMAP 4460 Cortex-A9) a 1,5 GHz, aqui ajudado por uma RAM de 1GB. Nunca revelou qualquer dificuldade (nunca bloqueou) durante o tempo em que nos fizemos acompanhar do telefone e as suas capacidades ficaram patentes na facilidade com que executava as tarefas propostas, mesmo em multitasking. A competência do processador reflete-se também na resposta rápida e na fluidez com que se navega entre menus e aplicações do telefone (ou na Web), o que se traduziu numa experiência de utilização agradável.

A memória interna é de 4GB, mas pode ser expandida, uma vez que o smartphone traz entrada para cartões microSD até 32GB. A entrada para o cartão está colocada na lateral direita do equipamento, cujo corpo é composto de uma peça única (unibody), não incluindo tampa para acesso à bateria. Para além desta ranhura, existe outra, no topo do dispositivo, destinada ao cartão - que é SIM e não micro SIM, como temos visto nestes modelos mais finos.

Ainda no topo figuram uma entrada USB e outra para o jack 3,5mm e além destas saliências, apenas veremos mais um - pequeno e discreto - botão (para ligar e desligar o telefone) na, lateral direita, e duas teclas de volume, do lado esquerdo. Existem depois os três botões capacitivos na base do ecrã, que caracterizam os terminais Android, assegurando o acesso a menus, retorno ao ecrã inicial e a opção "retroceder".

[caption]Ascend P1[/caption]

A bateria incluída é de 1670 mAh e o equipamento consegue fazer uma boa gestão da energia, pelo que não é expectável que deixe em maus lençóis quem ao final do dia tiver o decoro de o ligar à corrente.

Assim, resta-nos concluir que se trata de um telefone onde a relação qualidade preço encontra um equilíbrio interessante, apresentando-se como uma opção (muito) interessante para quem a marca, e detalhes como as aplicações exclusivas ou a personalização da interface, não sejam fator determinante. Tudo o resto está lá, incluindo a versão 4 do Android.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Joana M. Fernandes

Nota da Redação:O artigo foi atualizado com o preço do equipamento.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.