É já amanhã, 26 de janeiro, que decorre a 9ª edição das Distinguished Lecture series, a iniciativa conjunta do Departamento de Informática e do NOVA Laboratory for Computer Science and Informatics na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT NOVA).

Desde 2012 que a iniciativa tem vindo a levar ao campus alguns dos mais influentes investigadores da área e a mais recente sessão vai contar com a presença de Scott Aaronson, professor e investigador da Universidade do Texas, nos Estados Unidos.

Scott Aaronson, que foi galardoado em 2012 com o prémio Alan T. Waterman, uma das mais distintas condecorações honorárias atribuídas pelos Estados Unidos a cientistas com menos de 40 anos, destaca-se na área das Ciências da Computação pela investigação desenvolvida em computação quântica e a teoria da complexidade computacional de forma mais ampla.

A computação quântica promete revolucionar as tecnologias da informação do futuro, potenciando os fenómenos da física quântica para acelerar a computação a níveis outrora desconhecidos.

Considerada uma área estratégica de investigação um pouco por todo o mundo, com iniciativas como a Quantum Flagship da União Europeia ou a National Quantum Initiative Act nos Estados Unidos, a “corrida” da computação quântica também se estende às gigantes tecnológicas como a IBM, a Google e a Microsoft.

A Google reclama supremacia quântica, mas IBM diz que não é bem assim…
A Google reclama supremacia quântica, mas IBM diz que não é bem assim…
Ver artigo

Ainda no ano passado, a Google revelou ao mundo que tinha alcançado um feito inédito, reivindicando pela primeira vez a supremacia computacional quântica, embora a declaração tenha sido questionada pela IBM. O Sycamore, o computador quântico da Google, composto por 54 qubits (54 bits quânticos) conseguiu executar cálculos em 200 segundos, algo que o melhor supercomputador tradicional do mundo demoraria cerca de 10.000 anos a completar.

Já em dezembro de 2020, surgiu uma nova reivindicação de supremacia quântica, desta vez por parte da Universidade de Ciência e Tecnologia da China. Os investigadores, que publicaram as suas conclusões na revista científica Science, afirmam que usaram apenas luz como tecnologia de suporte, segundo uma proposta de Scott Aaronson chamada amostragem de bosões.

Na próxima Distinguished Lecture, que decorre às 15h através do Zoom, Scott Aaronson vai apresentar uma introdução acessível à computação quântica, falando acerca do tipo de problemas que são atualmente resolvidos pela área, de como se observam os seus resultados usando sistemas clássicos, e ainda sobre os novos desafios se esperam no futuro.

O especialista da Universidade do Textas ilustrará também uma aplicação para a supremacia quântica baseada em amostragem de bosões que pode ser usada para garantir a cibersegurança informática de cripto-moedas e que em breve será demonstrada pela Google

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.