Para um número cada vez maior de pessoas o videoclube já não está ao virar da esquina. Ao longo dos últimos anos muitos fecharam e com isso terminaram as disputas pelo título a alugar, pelo menos na loja.



Aliados de peso para um serão em família ou para animar uma tarde chuvosa, em que os passeios ao ar livre se tornam uma opção pouco convincente, alugar um filme não deixou no entanto de ser uma opção a considerar.



É verdade que o mercado mudou e que as alternativas para levar um cinema diferente à TV lá de casa se multiplicaram, mas para quem prefere as opções legais os videoclubes que não implicam sair de casa tornaram-se uma espécie de tendência para o futuro. Oferecem conteúdos variados e todas as funcionalidades que estariam à disposição de quem alugasse um DVD, mais sinopse e trailer. Contam ainda com uma vantagem: 24 horas após o aluguer o conteúdo fica inactivo, à prova de esquecimentos.



Na linha da frente desta opção estão os principais fornecedores de serviços pagos de televisão, que na estratégia de enriquecer a oferta de conteúdos da plataforma de televisão lançaram o negócio no pequeno ecrã. É desses serviços que hoje nos propomos falar um pouco numa viagem que cruza as ofertas Zon, Meo, Clix e Vodafone Casa.



Comecemos pela Zon. A empresa, que renovou recentemente o serviço, conta actualmente com cerca de 4 mil conteúdos associados ao Videoclube. Além dos filmes, e tal como fazem as concorrentes, a empresa preocupa-se em diversificar conteúdos e o catálogo disponível cresce, por isso, para um número cada vez mais abrangente de áreas. As séries infantis são uma das apostas fortes, assim como os documentários com a assinatura National Geographic e Discovery Channel. O mesmo esforço pode perceber-se nas restantes ofertas disponíveis no mercado, ainda que com algumas nuances, mesmo que os filmes continuem a dominar em todas elas.

[caption]Videoclube Zon[/caption]

Ainda no que se refere aos conteúdos alternativos, a Zon disponibiliza programas de TV (no caso da RTP e SIC) que, após emissão, ficam disponíveis para ver novamente no videoclube, sem custos, uma proposta que também integra a oferta das concorrentes como detalharemos adiante. Nesta área das alternativas falta ainda referir as séries dos canais AXN, Sony TV, MOV e Animax, bem como alguns programas desportivos da Eurosport, o Karaoke ou os concertos ao vivo.



Com a renovação recente do serviço a empresa introduziu ainda algumas novidades na forma de subscrição dos conteúdos disponíveis. Passou a ser possível a subscrição de pacotes temáticos, por exemplo, para os conteúdos infantis, filmes e séries ou concertos ao vivo. O valor mensal cobrado pela subscrição destes pacotes dá acesso a conteúdos ilimitados dentro do género, entre a oferta disponível.

[caption]Zon Videoclube[/caption]

Por exemplo, no caso dos filmes e séries por 10 euros mensais o cliente ganha acesso a 125 filmes e 200 episódios com séries completas, numa oferta que se renova mensalmente. Quem aderir a alguma destas subscrições mensais para conteúdos temáticos ilimitados até final do mês, ganha acesso gratuito nos 30 dias seguintes, sem obrigação de continuidade.



A opção de subscrição de conteúdos específicos, agrupados por áreas de interesse também está disponível na oferta Optimus Clix para as seguintes áreas: infantil, documentários, comédia, ou karaoke. O TeK contactou a empresa para perceber estes e outros detalhes da oferta mas não obteve resposta.



Passando para o universo Meo, os pacotes que agrupam vários filmes por um preço mais acessível e um período de tempo mais longo também são uma possibilidade. São exemplos deste tipo de oferta, o pack clássicos ou pack Natal, que incluem 3 filmes por 5 euros por um período de aluguer de 5 dias.

[caption]Meo videoclube[/caption]

Videoclube da TV para o PC


Outro factor de destaque na oferta Meo é a extensão do serviço de aluguer - que integra mais de 2.500 filmes - ao PC. Lançada recentemente, esta oferta permite que um cliente do serviço de TV (fibra, ADSL ou satélite) possa assistir a um filme alugado no videoclube através do PC. Os filmes também podem ser alugados no PC e, durante 24 horas, mantêm-se disponíveis em ambos os suportes. Quem subscreve a vertente online do serviço ganha acesso a mais de 500 títulos.

O Vodafone Casa tem uma proposta idêntica. Com mais de mil e quinhentos títulos disponíveis para aluguer, o serviço também prevê uma opção deste género, mas neste caso permite que o cliente faça circular um filme alugado entre a TV, PC ou mesmo pelo seu Vodafone 360. De sublinhar, aliás, que o videoclube Vodafone está disponível para todos os clientes da operadora, incluindo aqueles que são apenas clientes de voz.

De regresso aos "Meos", há ainda a referir que o serviço de aluguer de filmes da PT - do qual já tiram partido mais de metade dos clientes de TV paga da empresa - mantém mais alguns incentivos para incentivar a utilização. Um dos exemplos é o Vouchers Videoclube. Aqui prevê-se a possibilidade de trocar pontos TMN por filmes no videoclube. Na campanha que decorre actualmente os vouchers são de 10 euros.

[caption]Meo Videoclube[/caption]



Falta dizer que na plataforma promovida pelos Gato Fedorento apenas cerca de metade dos conteúdos disponíveis são filmes. Aqui incluem-se títulos de vários géneros, entre novidades, clássicos, infantis ou filmes para adultas.



Na área de conteúdos adicionais o serviço também assegura uma área Passou na TV, que dá acesso a alguns programas televisivos já transmitidos, sem custos. Uma oferta idêntica (programas de televisão) também pode ser encontrada no serviço de videoclube da Optimus Clix. Neste caso há para ver conteúdos da RTP, AXN e SET. A Vodafone disponibiliza igualmente o Passou na TV, sem custos, mas tem também o Vai Passar na TV, uma área onde é possível assistir a programas de TV que ainda não foram para o ar.

[caption]videoclube Vodafone[/caption]

À oferta alternativa aos filmes no Meo somam-se ainda concertos, documentários, séries (inclui acesso a várias produções da Warner e da HBO), musicais Filipe La Feria e karaoke, uma opção também integrada nos serviços da Zon e da Optimus, garantindo mais uma possibilidade de diversão em família.



Conteúdos HD



Transversal à oferta dos quatro videoclubes aqui considerados é a disponibilização de conteúdos em HD. São uma novidade relativamente recente e com uma expressão crescente nas plataformas, que tende a intensificar-se ainda mais, à medida que as televisões com estas características se tornem mais comuns. No que se refere a este tipo de conteúdos importa sublinhar que a Zon é o único operador com uma política de não diferenciação de preços para os conteúdos em alta definição.


No restante as diferenças não são muito significativas. Já passaram para os videoclubes da TV os principais títulos do cinema em alta definição e, pontualmente, mais alguns conteúdos.


Preços



Falta apenas falar em preços. Na Zon os conteúdos disponibilizados têm preços entre os 0,49 euros e os 6,99 euros. Concretamente em relação aos filmes, a Zon faz variar os preços entre os 0,99 euros e os 3,49 euros. Quem gosta de estar atento às promoções pode, com a renovação do serviço, consultar a área permanente de promoções, onde todos os títulos custam 0,99 euros.


No clube de vídeo do Meo os preços variam entre um e seis euros. O preço mais baixo é aplicado a episódios de programas infantis e séries e a alguns documentários. Os preços mais caros aplicam-se a conteúdos para adulto em alta definição. Os filmes (novidades) têm um custo de 3,5 euros para o aluguer normal de 24 horas e os filmes em alta definição custam mais um euro. No Optimus Clix as novidades custam 3,99 euros. Na área de promoções e ofertas do serviço é possível conhecer rapidamente borlas ou descontos específicos para um determinado período.



Já o videoclube da Vodafone é composto por filmes gratuitos e filmes que podem custar até 4,5 euros, valor aplicável aos filmes em alta definição, mas é no catálogo para adultos que estão os preços mas elevados da proposta Vodafone Casa. Aqui a empresa propõe títulos entre os 4,99 euros e os 5,99 euros, para a alta definição.

[caption]Videoclube Vodafone[/caption]

Mais alternativas



Para quem não quer sair de casa mas não é cliente de nenhuma das três operadoras há mais alternativas a considerar - fixando a análise na oferta assegurada a nível nacional. Deixamos o exemplo da Cineteka, que permite o aluguer de filmes em DVD ou Blu-ray (alta definição).


A Cineteka, que também é uma loja física, disponibiliza cerca de 11 mil títulos. A composição dos planos de subscrição é detalhada mas na oferta principal é possível pagar entre 7,80 e 43,20 euros. O primeiro preço prevê o aluguer mensal de 4 a 9 filmes e o segundo entre 20 e 45 filmes.

[caption]Cineteka[/caption]

Analise as opções disponíveis. Escolha a que melhor se adapta às suas necessidades e bons filmes ... agora que o frio convida a ficar em casa.

Nota de redacção: Actualizado com informação relativa às ofertas da Vodafone e Optimus. Retirada referência à Mooxuu, uma loja online de aluguer de filmes, que confirmamos entretanto não estar a funcionar de momento.

Cristina A. Ferreira

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.