Do catálogo de smartphones vendidos pelas operadoras portuguesas e equipados com o sistema operativo Android, 56% dos equipamentos está a ser comercializado de origem com uma versão do software com 20 ou mais meses de idade.

Dos 77 smartphones vendidos pela Optimus, TMN e Vodafone, 43 deles têm a versão Android 4.0, 2.3 ou 2.2 do Android. A versão 2.3/Gingerbread representa sozinha 18 equipamentos - quer isto dizer que 23% dos smartphones vendidos pelas operadoras portuguesas estão equipados com uma versão do Android que tem 31 meses de vida, mais de dois anos de existência.

A versão menos popular é o Froyo 2.2, que tem apenas três equipamentos nos catálogos principais das lojas online das operadoras, mas acaba por ter o mesmo número de dispositivos que tem a versão mais recente, o Android 4.2. Apenas o Galaxy S4 é vendido na Optimus, TMN e Vodafone com a mais recente versão do sistema operativo da Google.

Apesar de a versão Jelly Bean 4.1 ser a mais popular, ao marcar presença em 31 modelos dos 77 comercializados, o valor não chega para apagar a ideia de que a maior parte dos smartphones está a ser vendido em fim de ciclo.

Dizer que a maioria dos telemóveis estão desatualizados seria no entanto errado, já que o conceito de desatualizado obriga a que um smartphone esteja a ser vendido com uma versão do Android inferior à que pode atingir. Em muitos dos casos a versão que vem de origem é também a última versão oficial que os smartphones vão ter por parte das operadoras e fabricantes, mas há casos onde os telemóveis são vendidos com versões do Android que podem ser atualizadas em casa de forma oficial.

E nem sempre o argumento do preço é suficiente para explicar a versão do sistema operativo. No caso do LG Maximo 3D da Optimus, que é vendido a 279,90 euros e ainda vem equipado com Android 2.2, há uma clara desvantagem para o Optimus Nivo Wesc que custa 149,90 euros e tem Android 4.1.

Nos resultados acima apresentados não foram contabilizados os telemóveis vendidos nas secções de Outlets e Stock Off onde por norma são comercializados modelos antigos a preços reduzidos e que estão equipados com as versões mais antigas do Android.

Um ano de Jelly Bean

Estes valores aparecem no dia em que a versão Android Jelly Bean 4.1 faz um ano desde que ficou oficialmente disponível. A questão da fragmentação do Android tem sido tema de grandes discussões, incluindo aqui no TeK, mas aos poucos a percentagem de utilizadores das versões mais recentes do Android tem aumentado.

Pela primeira vez os Android Jelly Bean - que comporta as versões 4.1 e 4.2 - superaram a taxa de utilização do Gingerbread, que com mais de dois anos de mercado, ainda é um dos software mais usado.

[caption]Android julho[/caption]

Os valores da tabela acabam por refletir um pouco aquilo que se passa nas lojas online das operadoras portuguesas. O Gingerbread e o Jelly Bean 4.1 são as versões mais populares, e o Froyo e Jelly Bean 4.2 as menos utilizadas.

Os leitores são agora convidados a discutirem na caixa de comentários a opinião que têm sobre a estratégia de comercialização do Android por parte de operadoras e fabricantes. Também podem abordar outras questões como a fragmentação e a diferença que existe para as estratégias dos sistemas operativos concorrentes.

Rui da Rocha Ferreira


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.