Um novo material que se repara a si próprio tem sido desenvolvido por cientistas da Universidade de Bristol, no Reino Unido. Os investigadores afirmam que o novo método de regeneração vai estar disponível para todos os ecrãs de smartphones nos próximos cinco anos.

Desenvolvido originalmente para as asas de aviões, o material tem o potencial de revolucionar várias indústrias diferentes, pois tem a  capacidade de se mover em pequenas rachaduras e endurecer-se – basicamente como uma crosta na pele.

Criada de uma mistura de produtos químicos à base de carbono, este novo agente de regeneração produz uma folha de milhões de esferas microscópicas. Quando se partem essas microesferas, é libertado um líquido que cola as duas extremidades, reparando o ecrã partido.

“Inspiramo-nos no corpo humano”, declarou Duncan Wass, responsável pelo projeto. “Nós não evoluímos para resistir a qualquer dano - se fosse assim teríamos uma pele tão grossa como a de um rinoceronte - mas se nos aleijarmos, nós sangramos, surgem as crostas e curamo-nos. Acabamos de colocar esse mesmo tipo de função num material sintético: vamos ter algo que se pode curar a si mesmo", explicou o químico ao The Independent.

Por ser uma técnica tão revolucionaria e que pode ser aplicada a várias indústrias, a Forbes avança que investigadores da L’Oreal já estão a negociar com a equipa inglesa para aplicar a tecnologia a vernizes. Mas isso é só ponto de partida. A tecnologia pode muito bem ser aplicada a pinturas do carros, ao quadros das bicicletas, turbinas eólicas e até aos para-brisas dos automóveis.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.