A ideia da empresa holandesa que quer fabricar um telemóvel livre de materiais oriundos de zonas de conflito, e com a garantia de respeito aos valores sociais, como a não utilização de trabalho infantil, angariou 17 mil assinaturas de interessados, mas nem todas se concretizaram ainda em compras.

A contabilização feita aponta para os 1.800 telemóveis vendidos, mas o objetivo para iniciar a produção são as 5 mil unidades. Só quando este número for alcançado fica garantida a emtrega dos smartphones no outono deste ano.

O Fairphone vai ter um processador quad core, sistema operativo Android, capacidade para suportar dois SIMs, uma bateria que pode ser substituída. O ecrã táctil tem uma dimensão de 4,3 polegadas e a câmara fotográfica traseira tem um sensor de 8 megapixéis, enquanto a câmara frontal é de 1,3 megapixéis.

O preço de venda é de 325 euros, já com impostos incluídos, mas o valor final depende do método de entrega e da inclusão ou não de um carregador ou headphones no pacote.

Parte dos lucros serão aplicados em futuras intervenções na cadeia de produção.

[caption]Fairphone[/caption]

O Fairphone vai entregar uma lista de materiais utilizados, a definição de custos e a lista de fornecedores, num movimento de transparência inusitado no setor.

Os promotores do Fairphone não entram em comparações com os métodos escolhidos pelos atuais fabricantes de telemóveis, mas este é obviamente um projeto que estabelece uma linha de separação em relação aos sistemas atuais.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.