"100% dos relógios inteligentes têm vulnerabilidades significativas, que revelam autenticação insuficiente, pouca encriptação e preocupações de privacidade", refere o estudo classifica os novos gadgets como "fronteira nova e aberta para ciberataques".

Os investigadores defendem que essa oportunidade pode ser aproveitada para permitir o acesso de terceiros a dados do utilizador, como os indicadores relacionados com a saúde que estes dispositivos habitualmente monitorizam.

Os sistemas de autenticação fracos e a falta de encriptação dos dados criam igualmente o risco de estas vulnerabilidades poderem ser exploradas com o objetivo de controlar outros dispositivos ligados ao smartwatch, como frigoríficos, máquinas de cafés, carros, ou outros.

"À medida que a adoção de smartwatches acelerar a plataforma vai tornar-se mais atrativa para quem quiser aceder-lhe de forma abusiva, tornando imprescindível que tomemos preocupações quando transmitimos dados pessoais ou ligamos os smartwatches a redes empresariais", defende Jason Schmitt, diretor geral da HP em declarações citadas pelo IT Pro.

Neste estudo a HP testou 10 relógios e todos "chumbaram" nos testes realizados.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.