Na madrugada deste domingo para segunda-feira, dia 23 de janeiro, a Samsung confirmou oficialmente que as baterias estiveram na origem dos problemas associados aos phablets Galaxy Note 7. De forma mais específica, a empresa avançou que as baterias foram mal produzidas e tinham as dimensões erradas, o que causou o seu sobreaquecimento e a “explosão” de vários dispositivos da marca.

Apesar de a Samsung não apontar um dedo acusatório a um fabricante em particular, fontes não identificadas revelaram à Bloomberg, na passada sexta-feira, que foi a unidade de produção de células de alimentação da própria Samsung, a Samsung SDI, a responsável pelas baterias defeituosas.

Durante a conferência em que foram oficialmente apresentadas as raízes do “desastre Note 7”, o líder da divisão de dispositivos e soluções móveis assegurou que a empresa tecnológica já tomou as medidas necessárias para evitar que este trágico episódio se repita.

Contudo, e segundo a Reuters, Koh Dong-jin avançou que o Galaxy S8 não será apresentado no Mobile World Congress deste ano, deixando cair por terra todas as expectativas previamente criadas.

O responsável referiu que a Samsung está focada na reconquista da confiança dos consumidores, o que, pelos visto, passa por não apressar o lançamento de mais um dispositivo e arriscar-se a ficar a braços com mais um flop tecnológico.

Recorde aqui o que se sabe já sobre aquele que será o Galaxy S8.

Baterias mal feitas, baterias explosivas

As conclusões apresentadas pela Samsung, nesta madrugada, mostram que existiram dois momentos deste episódio: a primeira “fornada” de Galaxy Note 7 e a primeira recolha, e a segunda “fornada” e o fim oficial da produção destes dispositivos.

De acordo com o Recode, as baterias da primeira fase teriam falhas no canto superior direito, o que, alegadamente, causou curtos-circuitos.

No entanto, quando foram distribuídos novos Note 7, que a Samsung tinha descrito como livres de falhas e seguros, percebeu-se que o problema subsistia, levando ao seu sobreaquecimento e derretimento, que, sabe-se agora, tinham sido mal fabricadas e não estavam devidamente isoladas.

A Samsung explica, no seu site, que a investigação foi conduzida por 700 engenheiros, que analisaram mais de 20.000 dispositivos Galaxy Note 7 e a mais de 30.000 baterias.

Além disso, foi também criado um grupo composto por especialistas e investigadores para aconselhar a empresa em matéria de segurança eletrónica.

 

Nota de redação: notícia alterada para incluir infografia em Português.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.