O Mine Kafon Drone (MKD)é um drone pensado para ser capaz de eliminar minas terrestres, detetando-as e provocando a sua explosão ao mesmo tempo que é controlado pelo seu operador à distância. Para tal tarefa, seis rotores e um conjunto de acessórios “especializados” apresentam-se ao serviço, como podemos ver pela campanha de crowdfunding que está de momento em aberto no KickStarter, em busca de financiamento.

O objetivo não é propriamente permitir aos apoiantes do projeto terem acesso a uma unidade do MKD, mas sim patrocinarem, por exemplo, determinada extensão ou área de terreno que o drone poderá de futuro “limpar” no que diz respeito a minas terrestres. E o MKD pode ser de uma utilidade tão grande que até embaixadores da ONU já manifestaram a sua opinião sobre o equipamento e a sua missão.

Diz o site TheVerge.com que podem existir à escala global cerca de 100 milhões de minas terrestres, grande parte delas deixadas ao abandono após o fim de vários conflitos militares. É então aqui que o Mine Kafon Drone promete ser de grande utilidade, segundo os seus criadores.

Além dos rotores já referidos, os três instrumentos em causa permitem, primeiro, mapear a área afetada; depois, um detetar de metais integrado faz o scan em busca de minas, assinalando-as com a ajuda de tecnologia GPS. Por fim, o drone regressa para junto do operador, que substitui o detetor de metais por um braço robótico que vai colocar pequenos detonadores no local em causa. Quando o drone está de novo em segurança, é ordenada a explosão.

Massoud Hassani, o criador do MKD, afirma que “este método é 20 vezes mais rápido e eficaz que o tradicional”, prometendo desimpedir todos os campos minados do mundo em apenas dez anos. Pena é que os 70 mil euros necessários para fazer avançar o projeto estejam ainda muito longe, quando faltam 43 dias para terminar a campanha…

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.