Esqueça o conceito dos museus onde na parede estão pinturas ou estátuas estáticas, que limitam os visitantes às simples fotografias. O museu de arte Mori, localizado em Tóquio, no Japão, tem atualmente em exposição uma viagem impressionante ao mundo digital. A exposição tem o nome “Borderless” e foi concebida pela TeamLab em parceria com a Epson, apresentando cerca de 30 mil metros quadrados de exibição de obras digitais interativas.

As imagens são projetadas nas paredes, tetos e chão dos salões, através de 530 computadores, 470 projetores e diversos sensores de movimento espalhados. O resultado é um deslumbre visual de luz e cor, com as imagens a reagirem à presença dos visitantes. Embora cada projeção seja independente, estas podem interligar-se, dando continuidade às histórias que estão a contar. Por exemplo, num ecrã pode ver-se um peixe a nadar, que foge de uma sala para a outra, se o visitante decidir acompanhá-lo.

Segundo os responsáveis do museu, cada visitante pode desfrutar da sua própria experiência, da forma como desejar. Não existem guias, mapas ou sinais de como começar ou acabar a visita, as pessoas têm total liberdade para passear pelas salas, interagir, assim como fotografar e filmar sem restrições. Uma das experiências chama-se Tea House, onde as imagens reagem aos gestos dos visitantes a fazer chá, com flores a crescerem infinitamente.

Sendo uma exposição personalizada, não deverá haver muitas pessoas na mesma sala, por isso, os bilhetes, que custam cerca de 30 dólares, devem ser reservados com antecedência.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.