A ideia de lançar um carro Tesla a bordo do Falcon Heavy, esta terça feira, podia ser apenas uma manobra de marketing, mas a verdade é que captou o interesse e entusiasmo da grande comunidade de fãs de Elon Musk. O próprio inventor e gestor tem vindo a partilhar nas suas contas das redes sociais os desenvolvimentos da aventura de Starman, o manequim que está a bordo do descapotável Roadster.

A missão do Falcon Heavy foi bem sucedida: o foguetão partiu do complexo 39A no Centro espacial Kennedy na Flórida, e a sua capacidade de transportar  64 toneladas até à órbita terrestre foi provada, conseguindo aproximar-se do feito do Saturn V em 1973 e abrindo caminho a uma nova fase da exploração do espaço.

A bordo seguia também um Tesla Roadster, com um manequim como piloto, que recebeu o nome de Starman. A ideia inicial era colocar o carro numa órbita heliocêntrica, à volta do Sol, onde permaneceria durante mil milhões de ano, aproximando-se regularmente do planeta Marte.

Elon Musk já tinha admitido que a terceira ignição tinha sido um sucesso e que o Roadster iria ultrapassar Marte, dirigindo-se à cintura de asteroides, entre Marte e Júpiter, mas sem revelar que isso complicava os planos iniciais.

Ontem Elon Musk partilhou uma última foto do Starman, a caminho da órbita de Marte e da cintura de asteroides.

Mas afinal, para onde vai agora o Tesla? A comunidade científica continua a seguir a missão com interesse e a fazer novos cálculos e há agora quem questione as últimas informações. Usando uma ferramenta do Jet Propulsion Laboratory da NASA, alguns astrónomos identificaram diferenças entre os dados que Elon Musk partilhou e os últimos números enviados pela Space X e dizem que a órbita não vai permitir que o carro chegue à cintura de asteroides, escreve o The Verge.

Apesar de Elon Musk ter admitido logo no início do projeto que a possibilidade do carro chegar a Marte era pequena, o sucesso da missão do Falcon Heavy trazia boas possibilidades que parecem agora menores.

Um astrofísico de Harvard, Jonathan McDowell, especialista em viagens no espaço, calcula agora que na próxima década o mais perto que o Roadster vai conseguir chegar estar de Marte é a 4,3 milhões de milhas (cerca de 6,9 milhões de quilómetros), em outubro de 2020.

Na sua viagem solitária no sistema solar o carro voltará a passar também relativamente perto da Terra, a 28 milhões de milhas (cerca de 45 milhões de quilómetros), quase a meio caminho entre o planeta Terra e Marte. Isso acontecerá em Março de 2021.

Não se sabe se o rádio do Roadster continua a tocar a Space Oddity, de David Bowie. Mas no painel do carro a inscrição das palavras de tranquilidade "Don't Panic" (não entres em pânico) podem ser uma boa companhia para uma missão muito solitária.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.