Um submarino-robô concebido em Portugal será exportado para o Brasil, por via de um contrato agora assinado com um consórcio de empresas brasileiras, avançou o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto (INESC Porto), responsável pelo desenvolvimento do projecto.

O contrato, avaliado em 1,6 milhões de euros e válido para os próximos três anos, prevê a criação de um "submarino-robô autónomo capaz de inspeccionar estruturas de barragens e assoreamento de bacias", detalha a instituição portuguesa.

Se explicam os responsáveis pelo projecto, a estrutura fará a recolha automática de informação nas barragens permitindo a detecção antecipada de anomalias e a análise do nível de risco com maior precisão e menos custos que os processos tradicionais.

O sistema de inspecção, a desenvolver durante os próximos três anos, será baseado num robô semelhante, o Mares, criado pelo INESC e adoptado pelas Águas do Oeste para monitorização de emissários submarinos.

O novo robô deverá permitir não só a recolha de dados sobre qualidade da água e a morfologia da bacia hidrográfica, mas também de imagens, bem como possibilitar a inspecção em tempo real. O objectivo é que as tarefas de monitorização passem a ser feitas com maior frequência e menos custos, evitando acidentes.

Contactado pelo TeK, o INESC disponibilizou uma imagem de conceito do submarino, que reproduzimos abaixo.

[caption]imagem do INESC[/caption]

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.