São 39% os europeus que não protegem adequadamente os seus dispositivos de ciberameaças como hackers, malware ou fraude financeira, entre outros, revelam os dados do mais recente estudo Kaspersky Cybersecurity Index.

Por outro lado, a maior conectividade parece traduzir-se numa maior consciencialização com a segurança, com o estudo a revelar que 63% dos utilizadores de internet na Europa estão preocupados com ciberameaças como o phishing e sites maliciosos.

Mais de metade (56%) referem ter receio que os seus dados possam ser roubados e que lhes seja pedido para pagar um resgate. As pessoas preocupam-se que os seus dados possam cair em mãos alheias e, com informações sensíveis armazenadas nos seus dispositivos pessoais, 44% não gostariam que ninguém lhes tivesse acesso.

O estudo da Kaspersky Lab revela ainda que 60% das famílias europeias reconhecem a sua preocupação quanto às crianças poderem aceder sem controlo a conteúdos online inadequados.

Os dados do mais recente do Cybersecurity Index foram divulgados esta sexta-feira, numa conferência de imprensa em Madrid, que serviu também para a empresa de segurança dar a conhecer as novas versões das suas soluções Kaspersky Internet Security e Kaspersky Total Security. Tecnologias desenhadas “para o lar atual onde há, em média 2,4 pessoas e 0,3 amimais de estimação, mas também 6,3 dispositivos conectados”.

 

Alfonso Ramírez, diretor-geral da Kaspersky Lab Iberia destacou a utilidade das novas versões, abrangendo diferentes dispositivos e vertentes, para dar resposta a este novo conceito de lar moderno. “Estamos a dar às pessoas uma forma melhor de protegerem a vida digital das suas famílias, sem interferir com a sua experiência online”, sublinhou.