O mundo estranhou quando começaram a surgir, em grandes quantidades, notícias de que o Facebook passava a permitir a partilha de vídeos que contenham decapitações. Afinal, a rede social remove conteúdos e bloqueia utilizadores às vezes com tamanha facilidade que permitir a decapitação de pessoas em "hasta pública" não se enquadra com o perfil da rede social.

Mas parece que afinal pode não ser possível partilhar vídeos de decapitações. Ontem o Facebook removeu um vídeo onde era executada uma mulher através deste método. Mudou Mark Zuckerberg de ideias?

O que o Facebook tinha dito é que permitia vídeos com decapitações, desde que fosse um claro protesto a este tipo de atividade, ainda que para isso tivessem que ser partilhadas imagens violentas. Mas a tecnológica não permite que esses vídeos incitem e glorificam os atos violentos.

A rede social pede aos utilizadores que usem de "maneira responsável" a liberdade de expressão que lhes é dada, como revelou um porta-voz ao AllThingsD.

O recuo pode ter sido causado pela ação de várias associações de proteção de menores e grupos que defendem a segurança online, que consideram os vídeos de decapitação como possíveis experiências perturbadoras.

Resta saber como é que a rede social vai lidar com os casos que vão aparecer no futuro. Independentemente das decisões, é certo que terá sempre uma fação descontente com a postura relativamente a determinados temas.

O que é que os leitores do TeK pensam sobre esta política de "permitir cenas de violência para sensibilizar os internautas sobre as injustiças que acontecem no mundo"? Concordam que um vídeo de uma decapitação possa ser publicado sem restrições?


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.