Hoje, 12 de julho, é assinalado o Dia da Neutralidade da Internet e a data é marcada por uma série de iniciativas que envolvem associações mas também empresas e serviços online, desde a Amazon ao Netflix, passando pelo Twitter, Vimeo, Reddit, Dropbox e muitas outras.

No site Battle for the Internet são explicadas as razões do protesto e a tentativa da FCC de destruir a neutralidade, permitindo que as operadoras de telecomunicações controlem o que os utilizadores veem e fazem online, implementando sistemas de controle de tráfego (throttling), bloqueios, censura e taxas extra.

Mas o site foi criado também para oferecer formas de protesto e combate a esta ideia. E há muitas maneiras do o fazer, desde o envio de uma menagem já pré-formatada - até dia 17 de julho - até à colocação nos sites de mensagens de protesto, banners, notificações dentro de apps ou mesmo avatares para as redes sociais.

 

Várias empresas já tinham tomado a iniciativa de promover as suas próprias mensagens, como o TEK  já tinha destacado hoje.

A lista de participantes no Battle for the Internet e as várias "peças" para o protesto podem ser vistas também no site, que pede ainda mais sugestões e disseminação da ideia. E há um vídeo a explicar tudo, que pode ser partilhado livremente.

Europa aperta cerco às operadoras. Em causa está a neutralidade da internet
Europa aperta cerco às operadoras. Em causa está a neutralidade da internet
Ver artigo

Embora possa parecer um problema "localizado" aos Estados Unidos, a verdade é que qualquer decisão que ponha em causa a neutralidade da Internet tem o potencial de afetar os internautas de forma global. Isto apesar de algumas regiões, como a Europa, já terem tomado posição em defesa da neutralidade.

Mesmo em Portugal o debate sobre a imposição de limites ou de bloqueios (ainda que parciais) a alguns serviços não está totalmente fechado e há quem defenda este tipo de opções, que têm continuado a gerar discussão em vários fóruns da especialidade.