A investigação foi realizada pela Escola de Economia e Ciência Política de Londres e contraria a ideia de que a indústria do entretenimento - música e cinema, sobretudo - está a definhar por causa da pirataria.



Os autores do estudo demonstram que no processo de adaptação a uma nova realidade de mercado, a indústria tem conseguido compensar as quebras nas vendas de CDs e música gravada, com outros recursos.

[caption]Vendas indústria do entretenimento[/caption]

O documento também aponta evidências relativamente ao contributo dos sites de partilha de arquivos e de outras plataformas de acesso a conteúdos protegidos por direitos de autor, para o crescimento da indústria.



Os dados revelam que as pessoas que usam serviços de partilha gastam mais dinheiro em entretenimento, do que aquelas que não utilizam de todo plataformas por onde circulam conteúdos protegidos por direitos de autor, aí disponibilizados sem custos.



Nas conclusões do grupo de investigadores há ainda uma chamada de atenção para os efeitos das leis que criminalizam o download e partilha de conteúdos protegidos por direitos de autor, sublinhando que os resultados alcançados têm comprovado a falta de eficácia deste tipo de medidas.



Face às conclusões, os investigadores pedem ao governo britânico que leve em conta os dados científicos apurados por entidades independentes, como é o caso, em próximas medidas sobre o tema. O Reino Unido debate neste momento a legislação em vigor na área do copyright, para preparar novas medidas.



A recomendação é um alerta para o peso que têm vindo a assumir, na definição de medidas pelos governos de vários países, os estudos patrocinados pelos lobbies da indústria, que normalmente apontam conclusões opostas.



O estudo foi realizado no âmbito da iniciativa Media Policy Project, que tem como objetivo criar documentos académicos acessíveis - em termos de linguagem - ao cidadão comum, dando simultaneamente um contributo para o debate político.



Uma pesquisa desenvolvida pela Joint Research, divulgada em março, também já tinha chegado a conclusões idênticas, considerando os serviços de partilha uma ferramenta para descobrir novos conteúdos, que numa fase posterior acabam por ser adquiridos nos canais legais.



O estudo da Joint teve por base a observação do comportamento de 16 mil utilizadores no Reino Unido, França, Alemanha, Itália e Espanha.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.