Milhares de internautas processados por terem descarregado ilegalmente o filme "Estado de Guerra" vão começar em breve a receber avisos do tribunal norte-americano, a notificá-los de que estão a ser acusados no processo.

O número de acusados ascende a cinco mil e as primeiras cartas de notificação já começaram a chegar, e têm sido mostradas esta semana por sites e blogs da imprensa internacional especializada. Uma cópia da queixa que deu entrada no tribunal é também veiculada online por alguns meios, confirmando aquilo que começou, no início do mês, como um rumor.

"The Hurt Locker", no título original, ganhou o Óscar para melhor filme este ano, mas ainda antes de ter chegado às salas de cinema já tinha percorrido, como tantos outros, muitos ecrãs de computador pelo mundo fora.

Só que, neste caso, a produtora independente Voltage Pictures, responsável pelo filme, resolveu instaurar um processo por violação de direitos de autor contra cinco mil utilizadores (na altura ainda por nomear) de cópias ilegais da obra partilhadas online.

Na acção os produtores pedem que os acusados sejam obrigados a destruir todas as cópias ilegais de Estado de Guerra e que paguem uma indemnização pelos danos (a fixar pelo tribunal), bem como os custos judiciais do processo.

Apesar do processo em grande escala, o número de réus dado a conhecer é menor do que aquele que faziam esperar as primeiras projecções avançadas pela imprensa internacional, onde se falavam em dezenas ou centenas de milhares de envolvidos.

Há ainda quem avance que o números de acusados a chegarem efectivamente a tribunal será muito inferior ao agora apresentado, esperando-se que a produtora tente acordos extra-judiciais com os réus.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.