Entre os documentos entregues pelo ex-consultor informático ao The Washington Post estão slides de uma apresentação interna da NSA onde é citada a tecnologia, normalmente usada pelos anunciantes para melhor conhecer as preferências dos internautas e melhorar a eficácia dos seus anúncios.

A agência de segurança norte-americana também se socorre de tal técnica para identificar potenciais alvos de acções de hacking, escreve o jornal.

Em causa estará a utilização de um mecanismo de específico da Google, denominado "cookie PREF" que não contém informação pessoal acerca do internauta - como o nome ou endereço de correio electrónico -, mas que inclui códigos numéricos que identificam o browser usado.

Além disso, este cookie permite "isolar" as comunicações de determinado utilizador do resto do manancial de dados de Internet, possibilitando a realização de ataques informáticos. Entre os documentos mencionados está igualmente um slide que indica que a NSA também recolhe dados de localização transmitidos pelas aplicações móveis.

O The Washington Post refere que através dos slides a que teve acesso não é possível perceber se existe ou não algum tipo de cooperação por parte da Google. O que é facto é que a gigante da Internet integrou muito recentemente o grupo de empresas que pediu, numa carta aberta, mudanças nas regras de vigilância dos governos a nível mundial.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.