Os responsáveis pela publicação da Official UK Charts Company mostraram-se sensíveis à enorme popularidade de um crescente número de serviços online que permitem ouvir música e que actualmente não têm qualquer significado em termos da tabela.

Em questão estão sobretudo serviço de streaming, que permitem o acesso gratuito a faixas de música e os serviços de subscrição mensal que dão acesso a um número ilimitado de faixas de música. As músicas são ouvidas mas não chegam a ser compradas faixas em concreto.

Os responsáveis admitiram, em declarações citadas pela BBC que, embora os canais que relevam para a formulação da tabela concentrem a maior parte do mercado, o crescimento expressivo destas alternativas começa a dar-lhes lugar de destaque e a fazer ponderar uma alteração à forma como a tabela é organizada desde que foi lançada em 1952.

Desde esta altura que a lógica é a de contabilizar músicas vendidas, independentemente do suporte, que ao longo dos tempos também se tem alterado.

A ser introduzida uma alteração que permita incluir esta nova realidade demorará ainda algum tempo, admitem os responsáveis.

Um dos serviços citados pela BBC como emblemático desta nova realidade é o Spotify que passado um mês da estreia no Reino Unido já reunia mais de um milhão de utilizadores. Este serviço permite ouvir música de forma gratuita se o utilizador aceitar receber publicidade ou por um valor mensal de 9,99 libras, caso prefira estar livre de mensagens publicitárias.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.