A mais recente experiência de voto electrónico, realizada nas legislativas de dia 20 de Fevereiro, cativou a participação de 13.191 eleitores. Destes, 8.824 participaram na componente presencial da experiência realizada nas mesas de voto dos cinco candidatos a Primeiro-ministro.



O número de participantes ascende a 33 por cento do total de votantes, detalha um comunicado da UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento.



Na componente não presencial da experiência, dirigida aos emigrantes inscritos para votar, o nível de participação foi de 12 por cento, o que se traduz num total de 4.367 eleitores (2.881 eleitores do círculo eleitoral da Europa e 1.486 de fora da Europa). Os portugueses residentes fora do país foram chamadas a votar online pela primeira vez, depois das entidades organizadoras da iniciativa - UMIC e STAPE - terem decidido testar a ferramenta Internet como alternativa ao tradicional voto por correspondência. Isto embora nenhuma das duas componentes da experiência se tenha revestido de carácter vinculativo.



Nesta componente não presencial, a mesa de voto electrónica esteve disponível durante uma semana para que os portugueses no estrangeiro pudessem votar e responder a um inquérito que tinha como objectivo perceber a opinião sobre a utilização da plataforma electrónica.



Mais de 90 por cento dos participantes na experiência de voto online aceitaram responder a este inquérito e a grande maioria afirmou gostar da alternativa (99,17 por cento) e estar disposto a repeti-la em futuras eleições, 98,32 por cento.



Uma percentagem também elevada dos inquiridos - 98,08 por cento - consideraram que esta é uma forma de votar simples e fácil e 98,91 por cento consideraram-na também rápida. Para 73,26 por cento dos inquiridos a introdução do voto electrónico com carácter vinculativo faria diminuir a abstenção entre os emigrantes.



No que respeita à segurança, 57,80 por cento dos inquiridos reconhecem que é uma componente garantida pelo sistema e 38,1 por cento consideram-no resistente a ataques de piratas informáticos. De sublinhar que na componente presencial da experiência o número de inquiridos confiantes na segurança ascende a mais de 80 por cento.



Os inquiridos têm menos certezas no que respeita à confidencialidade do voto. Apenas para 30,1 por cento o voto por esta via é secreto, enquanto só 29,1 por cento consideram que é de facto o eleitor a exercer o direito de voto. Uma percentagem mais baixa - 28,5 por cento - dos inquiridos têm a certeza que o voto não é posteriormente alterado.



Na componente presencial a experiência realizada nas legislativas introduziu uma novidade face aos pilotos anteriores, testando a possibilidade de votar numa mesa de voto distinta daquela onde o utilizador está registado. Acompanhada também de um inquérito a experiência voltou a obter aprovação dos participantes que reconhecerem a simplicidade do processo e rapidez, mostrando a sua disponibilidade para voltar a votar electronicamente em futuras ocasiões, sempre com taxas acima dos 90 por cento.



Nesta última experiência presencial participaram as freguesias de Santos o Velho, São Sebastião da Pedreira, Coração de Jesus, Conceição (na Covilhã) e Santa Iria da Azóia em Loures.



Notícias Relacionadas:

2005-02-01 - Voto electrónico em teste nas próximas legislativas para 148 mil emigrantes

2004-06-13 - Mais de 9 mil eleitores experimentaram o voto electrónico

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.