Os advogados da Hewlett-Packard apresentaram sexta-feira à noite ao juíz William B. Chandler III um relatório legal - divulgado publicamente no sábado - que acusa Walter Hewlett, descendente de um dos dois fundadores da companhia de não ter conseguido justificar o processo judicial que instaurou contra a empresa, informou a agência Associated Press.



Em consequência, os advogados aconselharam Hewlett a abandonar a sua luta para impedir a fusão com a Compaq. Este documento legal consistiu numa forma de argumento final no seguimento de um julgamento com a duração de três dias que terminou na quinta-feira, em Wilmington, no estado norte-americano de Delaware.



A equipa que constitui a defesa legal da HP argumentou ainda que Hewlett não revelou qualquer prova de que a empresa mentiu em relação às hipóteses de o negócio com a Compaq poderia fazer com que alcançasse os objectivos financeiros publicamente divulgados.



Por outro lado, também não demonstrou de facto que a HP ameaçou o Deutsche Bank e que forçou os gestores de investimento desta instituição bancária a desviarem 17 milhões de acções em favor da fusão, pode-se ler no documento.



Os advogados de Hewlett, cujos 15 anos de direito de detenção de um cargo na direcção da HP terminaram na passada sexta-feira, também apresentaram após o julgamento um relatório legal junto do tribunal. Contudo, esse documento não foi divulgado publicamente.



Hewlett processou a HP no tribunal de Chancery, em Delaware, onde a empresa se constituiu legalmente como uma sociedade comercial, com vista à anulação da votação dos accionistas que ocorreu no dia 19 de Março, em que a HP ganhou por 51,4 por cento contra 48,6 por cento, de acordo com uma contagem preliminar e não-oficial.



O juiz William B. Chandler III afirmou na quinta-feira que iria emitir rapidamente uma sentença. Se Chandler permitir que o negócio no valor de 18,2 mil milhões de dólares (20,26 mil milhões de euros) permaneça de pé e a vitória da HP se mantiver nos votos por procuração, as duas companhias, Compaq e Hewlett-Packard estão preparadas para começar oficialmente a trabalhar em conjunto já a partir de 7 de Maio.



A defesa da HP apelou a Chandler que decidisse o caso em favor da companhia, bem como que sustentasse a integridade e a rectidão de Carly Fiorina e Robert Wayman, a directora executiva e o director financeiro da Hewlett-Packard.



Notícias Relacionadas:

2002-04-18 - Fusão entre HP e Compaq aprovada por margem mínima de 2,8 por cento

2002-03-21 - Accionistas da Compaq aprovam fusão com HP

2002-03-20 - Sim à fusão entre HP e Compaq vence primeira fase por margem mínima

2002-03-06 - Institutional Shareholder Services aconselha accionistas a aprovar fusão entre a HP e a Compaq

2002-02-06 - Processo de fusão entre HP e Compaq pode estar concluído em Março

2002-01-28 - HP afirma que a maioria dos seus funcionários apoia fusão com a Compaq

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.