A Comissão de Títulos e Câmbios (SEC) perguntou à Google no final de 2013 quais os planos da empresa para a grande quantia de dinheiro – cerca de 33 mil milhões de dólares – que mantinha fora dos EUA. A resposta foi conhecida ontem, 20 de maio, dizendo a tecnológica que o dinheiro servirá para sustentar uma estratégia de aquisições.



O valor representa mais de metade do dinheiro que a Google tem disponível, num total de 58,7 mil milhões de dólares, o que levou a autoridade reguladora a inquirir a empresa sobre os propósitos de tal estratégia.



“Prevemos o uso substancial dos nossos ganhos no estrangeiro para aquisições pois o nosso negócio global expandiu-se para outras ofertas de produtos como os dispositivos móveis. É razoável prever que a Google precise entre 20 a 30 mil milhões para financiar potenciais aquisições no estrangeiro”, escreveu a tecnológica numa das respostas.



A tecnológica de Mountain View lembrou ainda o regulador que nos últimos anos tem aumentado o número de aquisições e que a tendência vai-se manter. Há também despesas relacionadas com a construção de infraestruturas como centros de dados e investigação que a Google enumera para justificar o dinheiro que tem fora da malha fiscal norte-americana.



De acordo com as contas da Businessweek, as empresas mais importantes dos EUA têm acumulados 206 mil milhões de dólares nas subsidiárias internacionais. Há muito que alguns políticos norte-americanos têm vindo a debater-se com a questão fiscal das receitas das empresas que usam países como a Irlanda para diminuir os encargos com impostos tanto no país de origem como na Europa.


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.