Estreantes ou veteranos, as empresas portuguesas que este no optaram por reservar espaço em nome próprio fazem um balanço muito positivo da presença na feira de Barcelona, que hoje encerra a exposição que reuniu mais de 1.800 expositores em 8 pavilhões.

O TeK visitou todos os stands e recolhe as impressões dos primeiros dias de presença, entre semblantes cansados mas satisfeitos pelos dias de trabalho intenso .

As soluções e tecnologias inovadoras estão a despertar interesse entre os visitantes dos países que estão entre os “suspeitos do costume” mas também de regiões que estão a evoluir muito rapidamente nas tecnologias móveis, de cloud e segurança, e outros que vão ter em breve o desafio de organizar grandes eventos desportivos e precisam de soluções de gestão que se destaquem do status quo.

O Pavilhão 8.1, do mundo das Apps, é o que concentra maior presença portuguesa, mas também há um bom cluster de tecnológicas no pavilhão 7, presenças no pavilhão 2 , 5 e 6. E há muitas tecnologias e serviços que vale a pena conhecer.




Aptoide, Bluetrend Technologies, Cardmobili, Finesource, iMobile Magic, Kwame, Ndrive, OpenIdea, Streambolico, TIMWE, WeDo Technologies, WIT Software e Ubiwhere são as empresas com stand próprio e nas imagens abaixo pode ver alguns dos stands visitados.

Ontem o tempo só permitiu publicar imagens, mas agora navegando página a página, encontra informação as empresas:

  • Aptoide
  • Bluetrend Technologies
  • Cardmobili

  • Finesource
  • iMobile Magic
  • Kwamecorp
  • Ndrive / Nmusic
  • OpenIdea
  • Streambolico
  • TIMWE
  • WeDo Technologies
  • WIT Software
  • Ubiwhere / Citibrain

Aptoide
A Aptoide repete este ano a sua presença no MWC, mas já com milhas percorridas que fazem com que esteja a conseguir o alcance global desejado. Esta é a feira mais importante para a empresa que aposta num marketplace Android, mas soma-se já a outras presenças em eventos internacionais como a CES, GSMA Mobile Asia Expo e Hong Kong Electronics Fair.

Paulo Trezentos, um dos fundadores do projecto, explicou ao TeK que a feira está a correr muito bem, melhor do que as expectativas, e que têm sido geradas boas possibilidades de contacto e até de negócio através de visitas ao stand.

“Mesmo uma conversa que inicialmente parecia informal deu mas tarde lugar a uma reunião com o CTO de uma grande empresa que está interessado na nossa solução e vai convidar a Aptoide para participar numa consulta”, referiu.

A plataforma Aptoide é o principal chamariz do stand localizado no Hall 8.1, dedicado ao mundo das apps. Apostando numa postura mais B2B, a divulgação centra-se na solução "Aptoide Partners Program", destinada a Android OEMs, onde é fornecida a tecnologia e apps para criarem a sua própria App Store Android; e uma solução para Publishers Android, em que promovem as Apps dos clientes, apoiando assim o aumento de downloads.

A empresa lançou ontem um novo site Web e prepara agora a apresentação da versão Beta do Aptoide V5 para Android.

[caption]Aptoide[/caption]

Bluetrend Technologies

A estreia como expositor no MWC, no Pavilhão 6, entre grandes nomes da indústria posiciona a Bluetrend Technologies com a ambição que a empresa quer ter a nível global.

Até agora o perfil usado para as viagens a Barcelona tinha carimbado nos cartões de acesso a palavra visitante, que dava a liberdade de conhecer tendências, desenvolver parcerias e estudar a dinâmica do evento. Agora a aventura é assumida com um expaço de expositor.

“A participação da BTT no Mobile World Congress é de extrema importância para o desenvolvimento do seu negócio e para a afirmação da marca Bluetrend no âmbito internacional, pois o evento reúne os players mais importantes do segmento, onde se encontram todos os líderes mundiais, empresas e responsáveis políticos, no que respeita a tecnologias de telecomunicações”, afirma Nuno Ivo Fernandes.

O passo agora dado excede as expectativas iniciais, e a um dia do encerramento da feira Telmo Lopes admitiu ao TeK que receberam pedidos de informação dos mais variados países, nos quais não acreditavam que pudesse surgir tanto interesse, nomeadamente a África do Sul e Kuwait.

“O que estes clientes procuram é uma solução completa que integre a venda de bilhetes, o acesso ao local do evento e a venda cruzada com hotéis e outros serviços de hotelaria. E nós temos esta solução pronta a usar, em demonstração aqui com o torniquete”, justifica.

Na lista de produtos que a Bluetrend está a divulgar encontram-se o Mobiticket, o WaW - Wallet any Where e o ParkNow.


[caption]Nome da imagem[/caption]

Cardmobili



As visitas ao Mobile World Congress começaram em 2010, mas este é o primeiro ano em que a
Cardmobili tem um stand próprio na feira.



Com a lição bem estudada de casa, a empresa tem os dias muito completos com reuniões marcadas com operadores de todo o mundo, e contactos ao nível de decisores.



“Temos participado para estabelecer contactos, conhecer novos players e fazer reuniões; saímos sempre de Portugal com uma agenda pré-definida e o mais completa possível. Este ano decidimos investir mais ainda e ter um stand próprio que nos permite reforçar a nossa presença e apresentar os nossos produtos com muito mais força e, esperamos também, resultados“, explicou ao TeK Helena Leite.



E esse planeamento estendeu-se à criação de um cartão especial MWC - uma Carteira Digital – e cupões digitais com ofertas no stand para os potenciais clientes, uma iniciativa que está a gerar interesse, adiantou ao TeK Rui Nogueira.



Sem ter um produto novo a Cardmobili está a comunicar os seus cinco produtos tecnológicos para a carteira digital: M|Loyalty, M|Offers, M|Communication, M|Shopping e M|Payments, e fez ainda atualizações às suas apps mais importantes, nas plataformas iOS e Android.



[caption]Nome da imagem[/caption]

Finesource
Focada em soluções de comunicações unificadas, a Finesource é uma marca criada dentro da Wavecom para trabalhar esta área específica, e a presença no MWC tem como objetivo ajudar a projetar a marca criada em 2011.



Em Portugal a Finesource já trabalha com a Zon e a GoTelecom, mas a ideia é alargar esta experiência a nível internacional, como adiantou ao TeK José Ferreira, CEO da empresa.



“Esta é uma área nova na Wavecom e precisamos de a dar a conhecer aos clientes”, sublinha, justificando a estreia no MWC.



Em termos de novidades a aposta para este ano é a possibilidade de trabalhar com MVNOs, e a Finesource está à procura de operadores médios ou pequenos, aos quais as suas soluções se ajustam de forma mais eficiente, apesar de ainda existir algum desconhecimento e receio. “Há alguma retração no mercado em relação a estes produtos. Muitas vezes temos de ir com os operadores aos clientes explicar as vantagens”, refere o responsável pela marca.



Objetivos concretos para a feira? É fácil: “se conseguirmos tirar daqui uma lead que dê negócio já nos damos por satisfeitos”, explica José Teixeira.



[caption]Nome da imagem[/caption]

iMobile Magic

Visibilidade e credibilidade da marca e do produto perante os clientes (atuais ou novos) são palavras chave na estratégia que ditou a presença da iMobile Magic no Mobile World Congress.

“Ter uma presença no MWC é uma oportunidade única de poder ter e demonstrar o nosso produto ao vivo perante pessoas influentes da indústria, media especializado e potenciais clientes”, explicou Marco Leal ao TeK.

Nesta estreia como expositor, a ideia é poder avançar com oportunidades que já começaram a explorar anteriormente, reunindo presencialmente com os potenciais interessados e criar também novas oportunidades.

E ao terceiro dia de exposição a impressão de global era positiva, com reuniões marcadas para além do que já estava planeado e um sistema de transmissão de informação sobre as soluções da empresa em modo “boca a boca” a funcionar a favor da iMobile Magic.

O principal foco das soluções da empresa é o PhoneNear, uma solução para operadores móveis que pretendem oferecer novos serviços de localização e proteção familiar ou novos serviços de voz e mensagens aos seus clientes. A vertente de Family Safety e de Virtual Device complementam a solução.

Na feira a iMobile Magic aproveitou para lançar a nova versão 2.0 do PhoneNear e anunciar acordos com dois novos operadores móveis.



[caption]Nome da imagem[/caption]

Kwamecorp

A Kwamecorp não consta da lista de empresas listadas no evento como portuguesas. Também não tem clientes por cá, mas leva à maior feira mundial de telecomunicações móveis uma história já longa para contar de projetos de referência a nível internacional.



Com escritórios em Lisboa, Londres, Nova Iorque, São Francisco e Seul, esta agência de inovação, que também é uma incubadora de startups, tem na lista de clientes organizações como a Samsung, de quem tem sido parceira em vários projetos. É da responsabilidade da companhia portuguesa o design e implementação dos elementos ligados à sensibilidade na penúltima geração do smartphone topo de gama da marca, o Galaxy S4, e acontece o mesmo com os serviços de media integrados no equipamento. A ferramenta Social Hub é um dos exemplos concretos do trabalho da Kwame no S4.



A empresa está também ligada a outros projetos de referência como o holandês Fairphone e tem na lista de clientes mais nomes sonantes, como a Intel.



Portugal é o quartel-general da companhia e o local se fixam metade dos 55 colaboradores, muito mais por uma questão de estilo de vida e paixão pela cidade e muito menos (ou mesmo nada) pela exigência do negócio, já que a Kwamecorp não tem nenhum cliente no país.



A questão não preocupa Kwame Ferreira, CEO, que explica a ausência de clientes locais com as diferenças de posicionamento e interesse, entre aquilo que a agência tem para oferecer e aquilo que as empresas portuguesas procuram nessas áreas.



No Mobile World Congress a Kwamecorp mostra soluções e serviços desenvolvidos para clientes, como é o caso do trabalho em torno do Fairphone, mas também apresenta a ofertas das startups investidas pelo fundo do grupo, projetos que na maior parte dos casos nasceram no seio da organização. A novidade mais recente é a Loklok, uma aplicação para Android que foi lançada durante a feira e da qual o TeK hoje já falou.

[caption]Nome da imagem[/caption]

Ndrive / Nmusic

A Ndrive é uma habitué do Mobile World Congress, onde tem marcado presença nos últimos anos, e bem conhecida dos leitores do TeK através das notícias sobre o software de navegação que fez o caminho dos tradicionais dispositivos dedicados de GPS para o mundo dos smartphones.

“A presença numa das feiras com mais impacto Mundial é uma delas. É crítico mostrar aos parceiros atuais e potenciais que a NDrive se mantém na linha da frente em termos de soluções B2B”, explica Luis Soeiro, marketing manager da empresa.

Apesar dos ganhos que se obtêm com este tipo de eventos só poderem ser calculados a médio prazo, com um tempo de maturação de 1 a 2 anos até à efetivação do negócio, o responsável de marketing admite que as leads que emergem destas presenças podem resultar em parcerias futuras.

Além de reforçar a divulgação do produto mais recente – o NLife, uma solução de navegação offline – o objetivo da NDrive passa por expor os casos de sucesso que a empresa tem colecionado nos últimos anos, com parceiros como a PT, a Mappy e a Oi. “Estas parcerias só são possíveis devido à qualidade do produto, à sua flexibilidade em termos de monetização e de modelos de negócio”, lembra Luis Soeiro.




À semelhança do que aconteceu no ano passado, a Ndrive partilha o stand com a Nmusic, mas só a primeira aparece listada como expositora. Para além do N inicial no nome, as duas empresas partilham accionistas e a "vizinhança" é bem vinda num pavilhão onde também há outros nomes portugueses, na maior concentração no MWC14.


Em tons de azul a Nmusic tem uma posição mais centralizada para quem entra no espaço, conquistando os visitantes para a sua plataforma de música em streaming que pode ser "co-branded" pelos operadores como já acontece em Portugal com o MEO.


Com menos contactos ao balcão mas com mais dinâmica de negócio, a empresa reconhece um interesse maior e mais dinâmica de potenciais parceiros.

[caption]Nome da imagem[/caption]

Open Idea
A marca da PT para os negócios internacionais apostou este ano num stand mais “aerodinâmico”, que conjuga espaço de exposição com sala de reuniões, útil para os encontros agendados.

O enfoque está centrado na tecnologia móvel e cloud, com a meta apontada para a criação de parcerias e comercialização dos produtos, como já aconteceu em presenças anteriores, que se realizam desde 2006.

“É um evento que nos dá uma visibilidade que dificilmente se conseguiria noutro evento e o número de contactos que se estabelecem e consequentes oportunidades geradas, são fundamentais para uma estratégia de crescimento e afirmação internacional”, refere fonte da empresa.

Todo o stand da Open Idea dirige os visitantes para o conceito de Smart Cities, que abrange as ofertas de Smart Telco e Smart Cloud com a plataforma de cloud in a box. O segmento de Smart Working e Smart Living são outras das áreas onde a empresa está a apostar e a mostrar soluções na feira.


[caption]Nome da imagem[/caption]

Streambolico

A presença da Streambolico no Mobile World Congress em 2014 foi uma estreia. Com menos de dois anos de vida, a empresa desenvolveu a tecnologia que suporta a solução escalável de streaming de vídeo sobre Wi-Fi mostrada na feira.


A principal característica da tecnologia é o facto de permitir acomodar até 10 vezes mais utilizadores em cada hotspot, face ao que possibilitam as soluções mais tradicionais. É uma solução que está direcionada para espaços de grandes eventos e é apresentado pela empresa como uma nova oportunidade para monetizar as infraestruturas Wi-Fi nestes espaço, abrindo caminho a novas formas de anunciar, por exemplo.


Do ponto de vista do utilizador, a solução multicast pode permitir o acesso a imagens de um evento em diferentes perspetivas, ou a repetição de imagens capturadas pelas câmaras que fazem a cobertura do evento.


A Streambolico é um spin-off do Instituto de Telecomunicações da Universidade do Porto. Teve como primeiro cliente uma empresa americana, mas hoje comercializa a solução para clientes em mais países, como Portugal ou a Alemanha.


A passagem pelo Mobile World Congress, como explicou ao TeK Rui Costa, CEO e co-fundador do projeto, é um passo no processo de internacionalização da empresa, que tem dado outros no mesmo sentido.


A grande aposta no momento passa pela criação de uma rede de distribuidores que assegure a comercialização da solução em vários mercados. Foram já estabelecidos acordos de distribuição com duas empresas no mercado alemão e a empresa está agora a desenvolver esforços no mesmo sentido para outros mercados, como o norte-americano ou britânico.


Já na reta final do evento, Rui Costa faz um balanço muito positivo da participação e regista a manifestação de interesse de várias empresas na tecnologia desenvolvida pela startup portuguesa e antecipa oportunidades de parceria.

À partida para Barcelona Vítor Teixeira, diretor de negócio da empresa, já tinha revelado ao TeK as principais expectativas da empresa em relação à participação no evento. "Precisamos que os clientes comecem a compreender os benefícios e as mais valias de transmitir vídeo sobre WiFi; de estabelecer parcerias com empresas de Wi-Fi, Apps e as que fazem parte do eco sistema do WiFi e mobile".

[caption]Nome da imagem[/caption]

TIMWE
Com 98% do negócio feito no mercado internacional e presença em várias geografias, a TIMWE não abdicou do cunho português na sua presença no MWC 2014.

Vários anos de participação enquanto visitantes, sempre com uma agenda repleta de reuniões com clientes, fez com que a empresa decidisse este ano avançar para a reserva de um espaço físico. Mas em vez de o dedicar à exposição, com um stand aberto, a tecnológica apostou num espaço de reunião no Hall 2, com agendas muito preenchidas e “encaixadas” de forma quase milimétrica.

“Tínhamos sempre alguma dificuldade em encontrar espaços para as reuniões dos nossos colaboradores que vêm de vários escritórios que temos espalhados no mundo e desta forma conseguimos ultrapassar esse obstáculo”, afirmou.

Para “animar” a TIMWE associou-se também a uma das maiores festas do circuito MWC – a MEF Connect MWC – onde recebeu os seus convidados VIP e executivos de topo do mundo mobile.

A empresa é já um dos players de referência na área das soluções para mobile, em marketing, entretenimento e pagamentos, mas a aposta no MWC faz todo o sentido. “[No MWC] encontramos todo o nosso ecossistema, entre operadores móveis, grandes marcas, fornecedores de conteúdos, concorrência, etc. Reunimos com a maioria e aumentamos as nossas oportunidades de negócio por estar no local certo, à hora certa”, afirmou Maria Jordão ao TeK.

Mesmo sem stand aberto a TIMWE conseguiu “espaço mediático” através da comunicação de uma parceria com a Oorodoo, um operador do médio oriente, que foi oficializada na feira.

[caption]Nome da imagem[/caption]

WeDo Technologies

A WeDo Technologies tem uma das presenças lusas mais antigas no Mobile World Congress, com stand próprio desde o tempo em que ainda se realizava em Cannes, logo nos primeiros momentos da fundação da empresa em 2002. Este ano no pavilhão 7.

Sérgio Silvestre admite que a presença na feira tem impacto em termos de posicionamento estratégico e depois naturalmente em termos comerciais e de relacionamento com clientes, parceiros, jornalistas, analistas e fornecedores. E é o maior investimento anual da empresa em eventos.

A tecnológica que foi reconhecida pela Gartner como número um na área de Revenue Assurance e Gestão de Fraude e está entre os 50 maiores fornecedores mundiais do sector das telecomunicações não aparece listada entre os expositores portugueses por uma questão burocrática de faturação, feita para a morada da WeDo no Reino Unido.

O Business Assurance RAID é o principal destaque no stand, perto dos pastéis de nata e do vinho do Porto que mostram a quem tiver dúvidas que a empresa continua a ser bem portuguesa.

No MWC a empresa lançou o RAID:FMS 7 que garante uma visão global da fraude na empresa, reunindo numa única plataforma todos os dados que ajudam os operadores a resolver ameaças de risco associadas a novos produtos e serviços.

O interesse demonstrado é grande e a agenda bastante preenchida, com várias reuniões não calendarizadas a acontecer, a par de uma definição pré programada antes do início do MWC que ocupa pelo menos 60% do tempo dos executivos da WeDo.


[caption]Nome da imagem[/caption]

WIT Software
O lugar de expositor é garantido pela WIT Software desde 2006 em Barcelona, e este ano a “bandeira” da empresa foi hasteada no Hall 6, stand 6C60.

Com soluções dirigidas maioritariamente ao mercado internacional – com as exportações a representarem 80% da faturação – a WIT Software define a presença na maior feira de telecomunicações do mundo como obrigatória.

A agenda de reuniões é intensa durante os 4 dias de exposição e congrega um planeamento bem definido previamente, para rentabilizar o investimento que foi de cerca de 70 mil euros.

“Sabemos bem funcionar com este modelo e temos a agenda muito cheia. Não há lugar para reuniões ad hoc”, explicou ao TeK Luis Silva, CEO da tecnológica.

Para a feira a empresa reservou espaço para vários anúncios, entre os quais de uma solução de comunicações que pode ajudar os operadores a conquistarem terreno às OTT, o que ganha maior dimensão depois da recente compra da WhatsApp pelo Facebook.



[caption]Nome da imagem[/caption]

Ubiwhere / Citibrain
A Ubiwhere está no Pavilhão 8.1 mas “disfarçada” com o nome da marca Citibrain e as soluções de Smart Cities que intgram a oferta da empresa. A estreia como expositores – depois de vários anos de visitas a Barcelona – acontece no ano em que o pilar estratégico da empresa assenta na internacionalização.

No mesmo stand a Ubiwhere alberga também a Micro I/O e a Bikeemotion. “A criação desta parceria vai de encontro à nossa estratégia de crescimento, visto esta ser uma excelente oportunidade de alavancagem dos negócios das três empresas”, explicou ao TeK Filipa Almeida, responsável de marketing.

Para que a comunicação se tornasse clara e coerente, as empresas sentiram a necessidade da criação de uma marca que identificasse as empresas como um todo e dessa parceria nasceu a Citibrain - Smart Thinking que está espelhada no stand.

Reputação e notoriedade são duas das conquistas desejadas pela participação no MWC14, fortalecendo uma rede de contactos que possa dar origem a outras e futuros negócios.

Como o nome e o posicionamento indicam, as soluções são relacionadas com
cidades inteligentes, destacando-se o espaço para uma rede de comunicação de IoT, uma plataforma de medição da qualidade de vários sinais, nomeadamente a QoS de acesso à Internet, do sinal da TDT e FM, um sistema de 4ª geração de partilha de bicicletas, gestão inteligente dos parques de estacionamento, um cartão de controlo de acessos e um sistema de gestão de vending machine.

A plataforma de medição de qualidade do sinal da TDT desenvolvida para a Anacom é outra das soluções destacadas.

Nuno Ribeiro, COO da Ubiwhere, adiantou ao TeK que o balanço desta primeira participação é positivo, depois de se ter feito muito “trabalho de casa e muitos contactos”, com interesse de players da américa do Sul e do Médio Oriente, pressionados pelas necessidades de organização do Mundial de 2020 que se aproxima.

“Se em 1% dos contactos houver possibilidade de avançar com propostas já é muito bom”, justifica.



[caption]Nome da imagem[/caption]

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.