Chama-se Amaranthine o fundo de capital de risco de 50 milhões de dólares, ou cerca de 44 milhões de euros, criado pela empresa que gere o Web Summit para ajudar as melhores startups que passam pelo evento a “sobreviverem” o resto do ano.

Pelo menos foi desta forma que Paddy Cosgrave o apresentou. "Veja, damos uma grande ajuda a muitas empresas durante três dias. E o que acontece nos 362 restantes?", disse o fundador do Web Summit, citado pelo Financial Times.

De acordo com o jornal, a aposta vai para as startups que passam pelo Web Summit e que, de acordo com os dados reunidos da participação no evento, suscitam maior interesse, consoante as tendências e a atenção que os investidores lhes dedicarem.

Web Summit 2018: como sobreviver ao maior evento tecnológico do ano?
Web Summit 2018: como sobreviver ao maior evento tecnológico do ano?
Ver artigo

O Amaranthine estará disponível para investir em startups de todos os níveis de maturidade, através de participações minoritárias.

De acordo com os documentos entregues na SEC, o fundo estará sediado no estado norte-americano de Delaware e terá a geri-lo Patrick Murphy, antes associado ao Goldman Sachs, e David Kelly, cofundador do Web Summit.

A edição de 2018 do Web Summit arranca oficialmente esta segunda-feira, prolongando-se até 8 de novembro, quinta-feira.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.