Impossível o smartphone A5 LED da Alcatel passar despercebido, pelo menos com a capa Lightup+ traseira onde foi buscar o seu nome – porque o modelo também traz uma capa “normal” de origem.

Por onde andou, o “telefone das luzinhas” – como ficou conhecido – deu nas vistas, e nem os dias solarengos, menos propícios a deixar ver luminosidades, o impediram de “brilhar”. Mas era indoors e à noite que atingia o seu apogeu, quando aos LED acendiam “ao sabor” das notificações da chegada de mensagens ou dos sons multimédia, com a reprodução de um vídeo ou de música.

Tudo configurável, é verdade, embora o modelo da Alcatel não seja de todo um telefone para quem gosta de passar despercebido, mas se estiver confortável com essa condição, poderá ser sempre uma hipótese a considerar para quem está a pensar comprar um equipamento de gama intermédia, com prestações razoáveis naquilo que realmente interessa.

 

Especificações técnicas e funcionamento

O dual sim A5 LED da Alcatel traz de origem a versão Marshmallow (6.0) do sistema operativo Android. Integra um processador Mediatek MT6753 Octa-core de 1,3GHz, a par de 2GB de RAM e de 16GB de capacidade de armazenamento, que pode ser estendida até aos 128GB através de cartão Micro SD.

Tal reflete-se num funcionamento que dá conta de uma utilização básica e de um pouco mais além. A memória RAM está naquele limite mínimo exigido para que o Android funcione sem paragens de maior, nomeadamente quando há duas ou três apps abertas em simultâneo.

Navegar na internet ou por entre as publicações de redes sociais como o Instagram ou o Facebook não trouxe problemas, assim como a utilização de aplicações de messaging, como o WhatsApp. Nos jogos também não houve nada a apontar, mas confessamos que ficámos pelo cativante NotNot – que sabemos não ser jogo mais exigente do mundo em termos gráficos e de processamento, mas foi o que nos “apeteceu” no momento…

Ecrã, capacidades multimédia e autonomia

O A5 tem um ecrã IPS LCD de 5,2 polegadas, com resolução HD (1280 x 720). A câmara principal é de 8MP, com uma abertura f/2.0 e um flash de dois tons, um conjunto que oferece bons resultados à luz do dia, tendo em conta a gama em que o equipamento se integra, com detalhe e cor, sem exageros e com pouco ruído.

De assinalar um pequeno delay, por vezes, entre o momento de carregar no obturador e a correspondente ação imediata de tirar a foto, que nos leva a segurar o telefone parado por mais tempo do que é suposto.

Os pontos negativos pioram à noite, sendo necessário redobrar cuidados, tendo em atenção a focagem, que muitas vezes vai ter de ser ajudada manualmente, tocando no ecrã.

 

A câmara frontal, de 5MP serve o propósito, tendo em conta a gama em que o telefone se insere, ganhando um ponto extra pelo flash incluído.

Se costuma usar o telefone para ouvir música em “alta voz”, saiba que o som não é mau, apesar de o A5 ter apenas um altifalante. Embora com uma boa prestação, em situações em que esteja a segurar no telefone para jogar ou para ver a sua série preferida, não será difícil tapar a saída e abafar o som sem que fosse essa a intenção. Com os fones não terá esse problema…

A bateria de 2.800mAh ofereceu uma autonomia que deu para os gastos, mas “resvés Campo de Ourique” e a utilização nem foi muito “puxada”. Digamos que chegou quase a um dia inteiro em uso moderado, que incluiu passar pelas playlists do YouTube, ver um episódio de uma das séries de eleição do Netflix, navegar bastante pelas redes sociais, trocar as habituais mensagens e tirar fotos (umas quantas).

Luzes, muitas luzes

A capa Lightup+ traseira é indiscutivelmente o ponto de destaque do A5 LED. O recurso é configurável com efeitos Light Show vários, desde ao género fogo-de-artifício ao céu estrelado ou captando as cores da camisola vestida ou de um objeto da nossa preferência. O efeito pode ser programado para situações diversas, que passam pelo acompanhamento para toques de chamadas personalizados, notificações de mensagens ou reprodução de vídeo e música.

Como últimas referências à funcionalidade (prometemos), acrescente-se que tem sempre a possibilidade de a desligar quando estiver farto de tanto “barulho visual”. Pode também trocar a capa LED pela “normal”, mas se a preocupação for poupar na autonomia do telefone, saiba que a troca não fará assim tanta diferença: mais luz menos luz, o tempo que estiver sem carregar o telefone vai variar mais em função da utilização multimédia, e não necessariamente de ter os efeitos Light Show ativos.

O peso também não será um grande argumento, já que estamos a falar de 166 gramas com a capa de LEDs, face a 139 com a capa traseira sem luzes. Ao “engrossar” o equipamento, a capa de LEDs acaba por dar uma certa robustez ao telefone que a capa simples não parece ser capaz, embora sejam ambas de plástico.

Em resumo, o Alcatel A5 LED não é um telefone “por aí além”, mas também não “borra a pintura”. Tendo a prestação versus o preço acessível de €199,99. E acrescentando a sua particularidade psicadélica, poderá ser uma alternativa em conta a considerar.