É sempre bom ver novas marcas de telemóveis a chegarem ao mercado. A Yezz, empresa norte-americana, começou a operar em Portugal no início deste ano e lançou sobretudo smartphones Android: tem também um telefone básico e um telemóvel inteligente dedicado para o público sénior.



Mas o que a empresa fez diferente de outras marcas, como a bq e a Wiko, foi apostar num sistema operativo não muito explorado. Quem quiser comprar um Windows Phone 8.1 ou compra Nokia ou não compra nada – é preciso ir a lojas online para encontrar modelos lançados internacionalmente.



E basta perceber que o Android é atualmente o sistema operativo mais usado do mundo pela estratégia definida relativamente aos fabricantes parceiros, para também perceber que mais fabricantes é sinónimo de evolução do ecossistema.



Portanto a aposta da Yezz no Windows Phone é boa para a Microsoft – porque expande o sistema operativo – e é boa para os consumidores – que tendo mais opção de escolha, estão mais protegidos.



E a aposta da Yezz em Portugal é especialmente positiva, pois significa que a marca vai fazer no Windows Phone o que já tenta fazer no Android: disponibilizar equipamentos que lutam pela melhor relação qualidade-preço.



O que vale então o Yezz Billy 4.7?


Billy, de Bill Gates

Todos os smartphones Windows Phone da Yezz vão ter a denominação Billy, sendo que o número serve depois para definir o tamanho de ecrã – e ajuda a distinguir os diferentes modelos. Billy acaba por funcionar como uma homenagem ao fundador da Microsoft, Bill Gates, e um dos principais responsáveis por ter tornado o sistema operativo Windows como uma parte integrante da vida de milhões de pessoas.



O primeiro Billy lançado pela Yezz em Portugal tem um ecrã de 4,7 polegadas e uma resolução de 1280x720 píxeis. O tamanho do painel ajuda a que o telemóvel consiga uma estrutura acessível e manuseável apenas com uma mão, e a qualidade do mesmo faz com que a experiência de visualização seja quase sempre agradável.

[caption]Yezz Billy 4.7[/caption]

Como o Windows Phone faz-se de cores opacas, a questão da qualidade do ecrã também ganha outro destaque pois em smartphones com resoluções inferiores, os elementos perdem definição e por consequência, a intensidade das cores também diminui. Neste Yezz Billy não é isso que acontece.



Já em condições de forte luminosidade o telemóvel não consegue ter um desempenho tão bom, pelo que será necessário ter a luminosidade no máximo e uma mão a fazer sombra para conseguir ver os conteúdos sem dificuldade.



Ainda ao nível do aspeto, uma palavra de parabenização à Yezz por ter conseguido criar um equipamento ergonomicamente bonito, fino, mas acima de tudo, com um peso que parece “impossível”. Mesmo não sendo o smartphone mais leve do mercado, o Billy 4.7 consegue causar espanto em todos os que nele pegam, pelo seu baixo peso. Ainda que esta não seja a ideia da marca, este smartphone faz lembrar um pouco os iPod Touch da Apple ao nível da espessura e da leveza.



Mas quem dá também tira e o TeK reprime a escolha do material escolhido para fabricar as capas traseiras – que são amovíveis, vindo três de origem com o telemóvel. O plástico atrai todas as dedadas e gordura que existam por perto e é preciso uma boa esfrega para que as mesmas desapareçam. A capa azul, a que o TeK usou nos testes, esteve constantemente marcada e isso é um ponto negativo, sobretudo em comparação direta com os smartphones da Nokia.



Botões bem destacados e fáceis de encontrar na lateral do equipamento, coluna única na parte traseira – o som do telemóvel deixa um pouco a desejar sobretudo nas reproduções de alto volume – e três botões físicos à frente compõe a restante componente física do telemóvel.



Bem construído, robusto, muito leve e não muito limpo, são estas as impressões a reter.


Desempenho a la Windows Phone

O Windows Phone não é um sistema operativo muito exigente a nível gráfico e de transições, pelo que mesmo em equipamentos de média e baixa gama o software tem um desempenho muito aceitável. O Billy 4.7 é um claro exemplo desta mais valia do software da Microsoft.



O Yezz Billy 4.7 tem um processador de quatro núcleos a 1,2Ghz, 1GB de memória RAM, unidade de processamento gráfico Adreno 402 e 8GB de armazenamento interno. Mesmo não sendo portentoso ao nível de especificações, apresenta características suficientes para a maioria das utilizações.



Onde o smartphone norte-americano fica curto é ao nível do desempenho gráfico. Jogos recentes como FIFA 15 UT e Angry Birds Epic não são executados de forma satisfatória. No caso de jogo de futebol a performance pode mesmo ser classificada de muito má já que não permite a prática do jogo.



Mas outros títulos, como Heroes of Order & Chaos e Tentacles: Enter the Mind, já foram executados com relativa qualidade e facilidade.



Nota-se que para abrir as aplicações o smartphone da Yezz não é o mais rápido, mas quando estas estão abertas não apresenta qualquer problema de desempenho. Também foi visível uma quebra no desempenho quando se tentava aceder a uma aplicação através do menu “últimas aplicações” - o que devia ser retomado de forma instantânea obrigava no entanto a algum tempo de loading.

[caption]Yezz Billy 4.7[/caption]

Navegar na Internet, nas redes sociais e fazer consulta de emails são atividades que não apresentam problemas a este equipamento. Não só ao nível do desempenho como ao nível da velocidade. O carregamento de páginas Web é rápido, assim como de fotografias no Instagram ou no 480px – a versão não oficial do serviço 500px.



No software o Billy 4.7 fica claramente a perder para os telemóveis da Nokia-Microsoft, isto porque as empresas desenvolveram aplicações específicas para a gama Lumia na tentativa de criar algum factor de diferenciação para a concorrência noutros sistemas operativos.



Acaba-se por se sentir falta dessas apps pois a Windows Phone Store ainda não é farta em aplicações – especialmente para quem gosta de ir à loja descobrir novas apps e sair de lá com uma mão cheia de novos software móveis para experimentar.


Bem-me-quer, mal-me-quer

Existem mais três pontos que o TeK gostava de referir sobre o Billy 4.7: um a favor, um contra e outro “assim-assim”.



No campo positivo o facto de o telemóvel ter suporte para dois cartões SIM, uma característica que apesar de ser descriminada por muitos utilizadores faz uma grande diferença ao nível prático: sabendo ainda para mais que cada vez mais adultos aderem aos tarifários destinados para jovens devido à grande competitividade ao nível de preço.

O elemento “assim-assim” é a bateria. O Windows Phone tem um bom sistema de gestão energética pelo que quase parece não haver consumo quando o telemóvel está inativo, mesmo tendo o Wi-Fi ou plano de dados ligado.



Agora quando o utilizador desperta o equipamento, sobretudo para as tarefas mais exigentes, a bateria começa de imediato a dizer adeus. Os utilizadores podem por isso conseguir sem grande dificuldade dia e meio de utilização, mas se jogos, fotografia e vídeos são a vossa preferência em dispositivos móveis, preparem-se para carregar o equipamento todas as noites.



Por fim, nota “menos” para a câmara fotográfica do equipamento. O sensor capaz de produzir fotografias de oito megapíxeis é fraco, não apresentando definição, detalhe nem cor nas imagens. Em ambientes de luminosidade reduzida os resultados são ainda menos entusiasmantes.


Considerações finais




A Yezz pede 199 euros pelo Billy 4.7. Não é um mau preço, é acessível e ajuda a elevar as opções de escolha nos Windows Phone, sobretudo dentro do segmento low cost e média gama. Mas não nos parece que seja o preço certo.



Talvez 179 ou 169 euros fosse um valor mais acertado para o telemóvel. Não pela falta de qualidade do mesmo – mesmo não sendo construído em materiais premium, está muito bem desenhado e tem uma fluidez que muitos outros equipamentos vão invejar. É mais pela estratégia que a Yezz quer implementar no mercado português.



Se querem combater com a Nokia-Microsoft, como definiram, e atualmente não têm as mesmas armas, é necessário fazer concessão nalguns pontos e o preço é aquele que mais atrai os consumidores. Depois é também o elemento que ajuda a fazer a pesagem final do equipamento no que diz respeito à sua qualidade global.

[caption]Yezz Billy 4.7[/caption]

É um bom primeiro exemplo do que a marca consegue fazer e a missão de querer combater com a Nokia-Microsoft não é descabida. O Billy fica a perder em conteúdos exclusivos e ao nível da fotografia onde a Nokia também é forte. Pouco mais.



No fim fica a ideia de que Yezz, they can. E Yezz, os consumidores precisam de um maior leque de opções, sobretudo fora do ecossistema Android.

Rui da Rocha Ferreira


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.