A Motorola passou de uma das principais fabricantes de telemóveis do mundo ao quase anonimato neste campo, até que em 2011 a Google anunciou a compra da unidade de telemóveis da empresa.

Passados dois anos com muitos rumores pelo meio, surge o primeiro fruto desta união, que é ao mesmo tempo o primeiro telemóvel realmente fabricado pela Google: o Moto X.

[caption][/caption]

O modelo foi apresentado esta quinta-feira ao final do dia, numa conferência de imprensa em que não foi permitido transmitir o evento em direto nem usar Google Glass.

A apresentação confirmou algumas caraterísticas anteriormente comentadas, como o ecrã AMOLED de 4,7 polegadas com uma resolução de 720x1280, o processador Qualcomm Snapdragon S4 Pro de dois núcleos a 1,7Ghz. A bateria de 2.200 mAh, que permite até 13 horas de conversação.

Em termos de memória, o Moto X tem 2 GB de RAM para oferecer e 16 GB ou 32 GB de capacidade de armazenamento.

O telefone apresenta ainda um sensor fotográfico na parte de trás de 10 megapixéis e uma câmara frontal de 2 megapixéis. A versão do Android é a 4.2.2 – e não a mais recente, a 4.3, como seria de esperar.
[caption][/caption]

Nas funcionalidades, o destaque vai para os comandos de voz Okay Google Now, sendo que um dos motes da campanha de lançamento destaca precisamente o facto de o Moto X não necessitar de ser “tocado”.

Neste sentido, vai um outro sistema que permite ativar o ecrã, e também a câmara “abanando” o aparelho, como poderá ver no vídeo seguinte.

Também há uma outra novidade relacionada com a câmara, que integra uma tecnologia que, em teoria, capta até mais 75% de luz que outros sensores, para melhorar a qualidade das fotos.

A grande aposta de diferenciação do novo smartphone passa, contudo, pelo nível de personalização oferecido aos seus utilizadores. Ao dispor estão várias opções diferentes, resultantes da combinação entre o branco e o preto para a tampa frontal e uma palete de 18 tons e “texturas” – como a madeira, prevista para breve – para a parte de trás.
[caption][/caption]

Além disso, os utilizadores podem escolher a cor dos botões laterais e do aro que rodeia a câmara e a cor dos headphones, assim como gravar a sua assinatura na capa traseira – tal como permitido pela Apple.

As opções de personalização também abrangem a frase de boas-vindas mostrada quando se inicia o telefone ou os wallpapers a incluir de origem.

Tudo isto se faz a partir do site Motomaker, que poderá ver em funcionamento no vídeo apresentado abaixo.

Uma possível má notícia é que o Moto X ontem apresentado só vai estar disponível para os Estados Unidos, América Latina e Canadá, mas a empresa gerida por Eric Schmidt garantiu que este será apenas o primeiro modelo lançado sob a sua marca.

Adiantou-se, inclusive, que está planeado para breve o lançamento de um smartphone mais barato que terá como target mercados diferentes.

O Moto X vai começar a ser vendido no final deste mês e, no mercado norte-americano custa 199 dólares (16GB), com contratos de fidelização ao operador de dois anos associados

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.