Chegar ao trabalho, ligar o computador, mexer o rato, clicar nos botões do mesmo, arrastar a roda do centro vezes e vezes sem conta, deixar inutilizados botões que parece estar a mais naquele pequeno dispositivo. Ao lado de computadores, smartphones e tablets o rato pode passar desapercebido. Mas é seguramente um dos elementos centrais do trabalho e da economia mundial neste momento.

Como elemento que controla o interface do computador, o rato conseguiu revolucionar a forma como o homem interage com as máquinas - de forma direta ou indireta. Aquele que é considerado como o pai do rato, Douglas Engelbart, morreu no dia 2 de julho. Douglas Engelbart viveu tempo suficiente para ver como o rato evoluiu tanto no conceito como na forma.

[caption]Primeiro rato[/caption]

Mesmo a história mais recente mostra vários tipos de ratos. Desde ratos com esfera na parte inferior, a ratos a lazer e com dependência de ligação por fim, até aos periféricos sem fios que funcionam através de comunicação Bluetooth.

Na estética também se tem assistido a uma evolução constante. Atualmente há de tudo um pouco, desde equipamentos minimalistas e de bloco único, até aos verdadeiros monstros tecnológicos que conseguem ter quase tantos botões como o teclado.

E nem sempre tudo se refere à tecnologia. O rato assumiu tamanha importância na vida de muitas pessoas que também teve que se adaptar ao desgaste físico que provoca, evoluindo para formas ergonómicas e menos agressivas para o corpo humano.

O TeK foi dar uma volta pela Internet e tentou selecionar alguns dos melhores ratos e dos mais característicos que as empresas têm atualmente à disposição. Para utilizadores básicos a utilizadores profissionais, como são os jogadores por exemplo, há ratos para todos os gostos.

Mesmo que alguns modelos não estejam à venda diretamente cá em Portugal, incluindo nas lojas de retalho, uma visita às lojas online com expedição internacional, como o eBay ou Amazon, permite encomendar os periféricos que acharem mais interessantes.

Logitech Performance Mouse MX

Irregular mas desenhado a pensar no desempenho. O Performance Mouse MX promete trabalhar em quase todas as superfícies, incluindo no vidro. O único requisito de funcionamento em qualquer superfície é a de ter quatro milímetros de espessura.

Além dos botões tradicionais, o rato da tecnológica tem ainda quatro botões dedicados e que podem ser geridos apenas com o polegar. Botão de avançar e recuar nas páginas de Internet, botão dedicado para o zoom de imagens e botão que permite trocar entre janelas de aplicações abertas no ambiente de trabalho. A Logitech diz ainda que o utilizador pode definir ações a serem executadas pelo quarto elemento.
[caption]Logitech performance mouse mx[/caption]
Botão de rolagem ultra rápido e controlo da velocidade e resposta do cursor no ecrã são outros elementos que tornam o Performance Mouse MX um dos melhores na sua categoria. O preço deste rato ronda os 99 dólares, cerca de 75 euros.

Mad Catz R.A.T.M.

Palavras para quê? O aspecto deste rato diz muito:

[caption]Mad Catz RATM[/caption]
Destinado para os gamers, o Mad Catz R.A.T.M. tem na sua versatilidade o grande trunfo relativamente aos rivais. Ainda que não possa ser montado peça por peça, existem elementos ajustáveis no periférico que o transformam num equipamento também ele a pensar na ergonomia. Descanso do polegar e base extensível para adaptação ao tamanho das mãos são alguns "truques" que este rato consegue operar.

Precisão e velocidade de resposta, alimentação por duas pilhas que chegam a durar um ano, conetividade Bluetooth até 10 metros, botão 5D - que permite executar cinco ações diferentes através da mesma tecla - e outros 10 botões, fazem o preço do Mad Catz R.A.T.M. situar-se perto dos 130 dólares, cerca de 99 euros.

Microsoft Wedge Touch Mouse

A simbiose entre rato e interface de utilizador deve ser a mais perfeita possível. E a pensar nisto - e também nos computadores que não têm ecrãs táteis - a Microsoft lançou o Wedge Touch Mouse, rato que tenta rentabilizar ao máximo as novas características do Windows 8.

O Wedge Touch Mouse não foi desenhado para ser "clicado", mas antes para ser tocado. E em todas as direções. Com a superfície lisa de dimensões significativas, dado o aspecto pouco comum que o rato tem, o utilizador pode trabalhar no periférico como se estivesse a mexer diretamente num ecrã de um tablet ou convertível.

[caption]Wedge Touch Microsoft[/caption]

O maior defeito deste dispositivo é a audiência que consegue atingir. Desenhado a pensar no Windows 8, em todas as versões do sistema operativo da Microsoft anteriores não são aproveitadas as principais características. Em contrapartida o tamanho pequeno tornam este rato uma solução a considerar para quem a portabilidade e descrição são uma mais-valia.

Por 70 euros, um computador mais antigo pode tirar o máximo proveito do mais recente sistema operativo da tecnológica.

Hippus HandShoe Mouse

E se para alguns o design extravagante é sinónimo de portabilidade, simplicidade ou de ferocidade, no caso do Hippus HandShoe Mouse é sinónimo de saúde. O aspecto pouco comum do rato é explicado pelas consequências pouco nefastas para os braços humanos.

O polegar assenta na parte esquerda do rato enquanto os quatro dedos restantes ficam na parte direita. A mão repousa por completo no periférico e fica numa posição que não tem grandes exigências musculares para o braço.

[caption]Hippus HandShoe Mouse[/caption]

O defeito, segundo escreve alguma imprensa especializada, está no plástico usado na construção do equipamento que pode tornar-se desagradável ao fim de várias horas de utilização seguidas.

Por 130 dólares, cerca de 99 euros, consegue evitar algumas complicações caso seja um utilizador que faz movimentos e ações constantes com o rato.

Quem será o pai da criança

Mas no dia em que o TeK faz esta Montra sobre os ratos como homenagem a um dos homens que mais contribuiu para o seu desenvolvimento inicial, sobretudo a nível de conceito, surge um individuo britânico que alega ter inventado o rato 20 anos antes dos norte-americanos. A história é contada por Ralph Benjamin e é citada pelo The Telegraph.

Diferente dos ratos acima referenciados, mas semelhante aos modelos iniciais do periférico, Ralph Benjamin diz ter criado ainda durante a Segunda Guerra Mundial um equipamento onde havia uma esfera em posição fixa e sobre a qual seria necessário passar a mão, nas mais variadas direções, para controlar um elemento gráfico à distância.

O sistema foi desenvolvido para ser usado num programa de monitorização naval que determinava através de sondas a posição de aviões inimigos numa gralha de eixos Y e Z. Pensado também como um joystick, a ideia acabou por evoluir para um conceito onde a palma da mão do utilizador pudesse descansar.

Os leitores do TeK também podem deixar na caixa de comentários outros ratos atuais que sejam ilustrativos da grande diferença que houve para o modelo inicial - tenha sido ele de Ralph Benjamin ou Douglas Engelbart - e que se destaquem da oferta tradicional pelas características que têm, seja nas teclas, formato ou precisão.


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.